Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
17

Resenha #67: Dois Garotos Se Beijando - David Levithan

Edição: 1
Autor: David Levithan
Título: Dois Garotos Se Beijando
Editora: Galera Record
Gênero: Romance / Jovem Adulto
ISBN: 9788501102096
Ano: 2015
Páginas: 224



Adicione esse livro ao Skoob

Avaliação:  
    


Resenha


"O amor é tão doloroso; como podemos desejar para alguém? E o amor é tão essencial; como podemos atrapalhar o progresso dele?" - Pág. 15

Durante uma festa LGBT, que atraiu pessoas de diversas cidades vizinhas, Avery (que possui o cabelo rosa) conhece Ryan,  que de cabelo azul usa bottóns à favor da causa LGBT. Mas Ryan não tinha ideia que Avery, na verdade, tinha nascido menino num corpo de menina e que com a aceitação dos pais, passou por diversos tratamentos para chegar ao corpo certo. Nessa fase inicial, ambos terão que lidar com o medo de relevar suas reais histórias e da aceitação.

Neil e Peter são namorados há bastante tempo, mas estão lidando com aquela fase onde sentem que tem um vazio que deveria ser preenchido.

Cooper é um jovem solitário viciado em redes sociais e aplicativos de relacionamento, onde passa boa parte de seu tempo conversando com homens de distintas idades que procuram a mesma coisa: Sexo. Em determinada ocasião, ele pega no sono e acaba passando a noite com a cabeça no teclado do PC, quando seu pai vai acordá-lo, encontra todas as conversas obscenas abertas e o choque inicial acaba levando a uma discussão familiar.

Tariq é amigo de Craig e Harry, ele foi fortemente espancado por um grupo de jovens em uma rua não muito movimentada e se não fosse por uma senhora que passava, ninguém sabe o que teria sido dele. Depois desse fato, ele passou a ficar mais retraído do que já era e sem saber o que denunciou  a sua homossexualidade.

Craig e Harry, já foram um casal de namorados, mas o relacionamento acabou não dando certo, segundo Harry. No entanto, com um tempo, Craig, ainda sentindo algo por seu ex, faz  uma proposta inusitada: quebrar o recorde mundial de beijo com maior tempo de duração. O sensacional é que Harry aceita e eles começam a dar assas a essa meta, e quando veem, já tem milhões de pessoas assistindo e torcendo para que o recorde seja quebrado. Durante a excussão da tentativa, os personagens do livro acabam se interligando e dando ritmo a leitura.


Como percebido, o livro é composto por vários núcleos onde conhecemos personagens masculinos gays com os seus problemas. Todos eles são extremamente palpáveis e reais. Temos um jovem que se vê rodeado de amigos virtuais, mas que na real não tem nenhum; dois jovens lidando com um possível fim de relacionamento; outro garoto vitima latente do preconceito extremo; um casal em fase inicial lidando com seus medos e por último um ex-casal que quer fazer um diferencial na vida de todos esses outros, vendo na quebra do recorde uma esperança para mostrar ao mundo que dois garotos se beijando é algo tão comum como o desabrochar de uma rosa.

David Levithan escreve uma história sem capítulos, apenas com algumas pausas entre um núcleo de personagens e outro, o que deixa a narrativa bem mais dinâmica e rápida. Na medida em que os personagens são reais e palpáveis, o autor peca um pouco em como se dão algumas das atitudes deles, dando a impressão de que realmente eles fazem aquilo que e quando querem sem ter preocupações, quando na verdade há pessoas com muito medo de tomar algumas decisões e realizar algo, pensando duas vezes antes de fazer. As atitudes são impensada, digamos, mas as consequências geradas retratam a realidade do que os homossexuais passam, passaram ou infelizmente, passarão.


Dois Garotos Se Beijando é mais do que um Young Adult que veio contar uma história gay, ele é um grito alto daqueles que um dia foram calados e que tinham muito a dizer. Tanto é que quem narra o livro são os que já morreram e com a voz da sabedoria procuram passar para o leitor o máximo das experiências que vivenciaram, ou seja: ponto para o autor que conseguiu criar um narrador que tem tanto o intuito de contar a história em questão, como também passar algo a mais, dando exemplos de experiência.

Com tantas histórias em uma só e com tantos temas, é impossível não se identificar, embora em outro contexto. Garanto que até você poderá se ver retratado em alguma situação criada pelo autor. Então, se você gosta de um romance que aborda temas bem atuais, com uma linguagem descontraída e cativante, não deixe de conferir Dois Garotos Se Beijando.

Ah, vale lembrar: para ter uma maior utilização do produto (vulgo livro e conteúdo), não esqueça de retirar do rosto os óculos - ou as lentes - do preconceito.



Até mais,
Pedro S.

17 comentários:

  1. Opa!! Queria ler esse livro, mas depois me deu uma canseira dele...rs. Acho que a super exposição causou isso. Mas espero ler o mesmo em breve. Que bom que ele é tudo isso! Adorei a resenha.

    Café com Letras

    ResponderExcluir
  2. A cada dia eu me apaixono mais pelo David Levithan, sem nem ter lido nada dele ainda (só Will e Will). E só de saber que tem um personagem trans, eu quero ler este livro mais ainda. Os livros com personagens LGBT já são poucos, e a maioria se concentra no G da sigla, e isso tem que mudar.

    http://escritoseestorias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Hey, Pedro!
    Já tinha me interessado pelo livro, tanto pela temática, e também por ser do David Levithan, mas sua resenha só aumentou minha curiosidade.
    O livro, de fato, parece ser muito bom. Não vejo a hora de ler.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Não to mais aguentando ler resenhas desse livro sem tê-lo nas minhas mãos hahaha todas as opiniões que vi até agora, incluindo a sua, são muito positivas e só me deixa mais ansiosa para finalmente conferir sobre o que o livro se trata. Conheci a escrita do David em Garoto encontra Garoto e me apaixonei completamente, então espero que o mesmo ocorra com esse livro !

    Beijos,
    Bia

    www.nasuaestanteblog.blogspot.com | @NaSuaEstante_

    ResponderExcluir
  5. Oiii

    Eu não li ainda. Assim como você, acho que pra ler qualquer livro nós temos que tirar as vendas do preconceito para ler qualquer obra, achei muito legal esse tema aboradadom acho que nós precisamos disso hoje.
    Em todas as resenhas eu vejo percebo que o autor criou personagens reais, uma pena que algumas atitudes não são :(

    Enfim, é um livro que eu adoraria ler, adoro essa capa!




    Beijinhos,
    www.entrechocolatesemusicas.com

    ResponderExcluir
  6. Ola Pedro li algumas quotes me deixaram encantada com a sensibilidade do autor, e sendo um livro contra o bendito preconceito merece toda atenção, pela intensidade dos personagens. Já estou com ele para leitura. abraços

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  7. Oi Pedro, eu sinceramente não tenho certeza se quero ler esse livro. As histórias parecem ser interessantes, mas o fato de os personagens tomarem algumas atitudes sem pensar não transmite a realidade, já li resenhas que disseram o mesmo e isso não soou legal ao meu ver. Mas pode ser que eu esteja enganada e venha a gostar da história, mas por enquanto eu passo

    ResponderExcluir
  8. Tipo isso, Pedro! Tem que ler sem preconceito. Foi o que fiz e acho que consegui, apesar de minha fé respeitar, mas não concordar com a homossexualidade. Como vc disse, me identifiquei em vários pontos porque o livro fala de amor e as frases se encaixam em qualquer romance; algumas focam na dificuldade do relacionamento e caberiam em vários tipos de preconceito: racial, religioso, de classe econômica... Valeu muito a leitura!
    Beijinhos!
    Giulia - www.prazermechamolivro.com

    ResponderExcluir
  9. Oi Pedro, gosto muito da escrita do David. Ele insiste na temática e de maneira muito bonita sempre transmite que antes de homem e mulher somos almas, e almas não tem sexo! Já está na hora das pessoas aceitarem o próximo independentemente de raça, religião, orientação sexual ou time de futebol!!!
    Beijos
    Porão da Liesel

    ResponderExcluir
  10. Esse livro é sensacional!!! Me marcou bastante. Achei que fosse ser aquela leitura fácil, mas não ;e não, é denso e complexo. Senti que o autor quis testar até onde ia o preconceito do leitor.

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oi Pedro, tudo bem? Que ótima resenha e é bem isso, você tem que ler preconceito, e a partir disso você pode aprender muita coisa. Ainda não li esse, mas sou fã de carteirinha do David Levithan. Acho bem interessante esses vários núcleos e a forma que o autor encontrou para narrar essa história. Realmente os livros do autor tem a tendência a mexer conosco e nos fazer identificar com algum aspecto da narrativa.

    Beijinhos,

    Rafaella Lima // Vamos Falar de Livros?

    ResponderExcluir
  12. Oi Pedro, tudo bem?
    Adorei a frase que você disse no final: tirarmos os óculos e lentes do preconceito. Pelas resenhas que eu tinha lido o livro parecia ser bom, mas nada além disso. Até que li uma resenha que apresentava quotes do livro e me surpreendi com as lições e mensagens do autor: um tapa na cara, com certeza. Bateu tão fundo que mudei minha visão sobre o livro. E agora, sua resenha me surpreende com um dado novo tão impactante quanto: as pessoas, vitimas desse preconceito que já morreram estão narrando o livro. Já está na minha lista.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Oi, Pedro! Tudo bem? Tenho muita vontade de ler algo do David Levithan, pois gosto de livros que quebrem tabus e que passem mensagens para o leitor! Em breve vou ler um conto do autor e ver se tomo gosto pela escrita dele. Se eu gostar, vou ler os outros livros dele! :) Adorei a resenha!

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Gentemmmm!! Este livro deve ser o máximo. Pedro, fiquei emocionada com a sua colocação "Dois Garotos Se Beijando é mais do que um Young Adult que veio contar uma história gay, ele é um grito alto daqueles que um dia foram calados e que tinham muito a dizer." nossa muito profundo e verdadeira. Ah! como estas pessoas excluídas, banidas discriminadas tiveram que se esconder. Ainda estamos muito longe do ideal, mas temos sinais de que a sociedade está mudando, claro que os radicais preconceituosos sempre existirão e para estas pessoas aceitar e respeitar o diferente do que sempre foi convencional é dificil, então atacam, denigrem, agridem.
    O autor realmente foi feliz em abordar e trazer o tema a baila, parabéns para ele.

    beijos
    Tânia Bueno
    www.facesdaleiturataniabueno.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Não achei que parece que eles fazem o que e quando querem sem terem preocupações não... na quebra do recorde mesmo, acho que eles tinham alguma ideia da confusão que isso causaria, por isso se preocuparam em pedir a autorização da escola antes e tal... claro que saiu do controle deles, mas acho que só fizeram por uma coisa maior, que era combater o preconceito. Achei genial a forma que o autor encontrou para narrar a história.

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  16. Oi Pedro.
    Adorei a forma como o autor estruturou a narrativa e a maneira como o tema foi abordado, direta, delicada e marcante.
    Não tive a impressão citada, muito pelo contrário, acho que eles tiveram todo cuidado e preocupação, mas a coisa tomou uma proporção muito maior do que eles imaginaram já que muitos sentiam sim essa vontade de agir, mas não tinham CORAGEM.

    Beijos.
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
  17. Eu me inspirei na sua resenha pra fazer a minha e até deixou uma quote sua lá na minha resenha. Gostei muito do livro assim, como você, mas não vi problema no ponto negativo que você citou, gostei da narrativa e das reflexões que o livro no proporciona, para o primeiro contato com o autor acho que foi incrível.
    Abraços, Carlos.

    http://blogchuvadeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!