Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
16

Resenha #27: A verdade Sobre O Caso Harry Quebert - Joël Dicker






A Verdade Sobre O Caso Harry Quebert

Autor: Joël Dicker
Origem: Suíça
Título Original: La Vérité sur l'Affaire Harry Quebert
Edição: 1
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580575118
Ano: 2014
Páginas: 576
Tradutor: André Telles

Sinopse: Aos vinte e oito anos Marcus Goldman viu sua vida se transformar radicalmente. Seu primeiro livro tornou-se um best-seller, ele virou uma celebridade e assinou um contrato milionário para um novo romance. E então foi acometido pela doença dos escritores. A poucos meses do prazo para a entrega do novo original, pressionado por seu editora e por seu agente, Marcus não consegue escrever nem uma linha.
Na tentativa de superar seu bloqueio criativo, Marcus decide passar uns dias com seu mentor, Harry Quebert, um dos escritores mais respeitados do país. É então que tudo muda. O corpo de uma jovem de quinze anos - desaparecida sem deixar rastros em 1975 - é encontrado enterrado no jardim de Harry, junto com o original do romance que o consagrou. Harry admite ter tido um caso com a garota e ter escrito o livro para ela, mas alega inocência no caso do assassinato.
Com o intuito de ajudar Harry, Marcus começa uma investigação por contra própria. Uma teia de segredos emerge, mas a verdade só virá à tona depois de uma longa e complexa jornada.



Resenha



Marcus Goldman, um autor que teve seu primeiro livro lançado e bem aclamado pelo público conseguiu dessa forma um contrato de cinco livros com a editora Schmid & Hanson, só o que ele não esperaria era tanta pressão do mesmo público para a publicação do próximo volume, do qual o prazo para a entrega está se esgotando e ele ainda nem sequer teve boas ideias para começá-lo.

Nessa falta de “criatividade”, Goldman é levado a ir para a Aurora, em New Hampshire em busca do seu velho amigo e ex-professor Harry Quebert, que o convida para passar uma temporada em sua casa e assim, escrever o livro que a editora tanto cobra. Ao findar o prazo de 30 dias, Goldam volta à Nova York, porém, sem um livro em mão, no entanto, ao chegar a seu AP, ele é noticiado de que no jardim da Goose Cover (casa de Quebert) fora encontrado um corpo de uma garota, desaparecida há trinta anos, junto com o original do livro As Origens do Mal, um fenômeno literário escrito por Harry Quebert, que evidentemente é apreendido como o principal suspeito da morte da jovem de 15 anos, e acaba assumindo que teve um caso de amor com ela.

Pelo o que Goldman sabe Quebert nunca teria cometido esse assassinato, sendo assim, ele quer de toda forma tentar inocentar o seu grande amigo. Mas será que Harry Q. é mesmo inocente? O que um cadáver desaparecido no verão de 1975 estaria fazendo em seu jardim em pleno 2008? O que Quebert estava pensando ao se relacionar com uma adolescente bem mais nova que ele? Para piorar a situação, seu chefe o prensa contra a parede solicitando o tão guardado livro... Mas sobre o que ele iria escrever?


A Verdade Sobre O Caso Quebert é um livro de leitura simples e corrida. Facilmente lemos 50 paginas em pouco tempo por conta de suas palavras bem colocadas e o jogo do autor com tantos ganchos, que deixa o leitor bastante curioso. Dicker vai aos poucos apresentando os fatos por meio de flashbacks, sob a narração em primeira pessoa pelo personagem Marcus Goldman, que vira um investigador e vai descobrindo segredos dos tantos personagens que giram em torno do enredo. Passamos a sentir pena de sicrano, dó de beltrano, repulsa de fulana e até mesmo tudo isso junto de uma mesma personagem. Ao decorrer do livro a pequena cidade de Aurora passa a ficar conturbada por conta do caso Nola Kellergan e chocada pelo aparecer de novos fatos.


O segundo romance do Dicker vai além de um simples livro, ele fala e nos ensina que o amor é livre. Sendo assim, ele ultrapassa barreiras, sejam elas de idade ou de tempo e que sim (mesmo que esteja escasso hoje em dia), o ser humano é capaz de fazer tudo pelo amor. Joël Dicker criou um livro que, do amor, vai aos livros, falando principalmente sobre a construção de um grande romance por meio da desconstrução de outro, e temos assim, em cada início dos 31 capítulos uma dica para ser um bom escritor que Quebert passou para o Goldman quando o  ensinava.

Ao terminar a leitura desse livro, é impossível não se questionar sobre a veracidade dos fatos e se por no lugar de tantos personagens. Quem já assistiu Cold Case e se sentiu com uma vontade imensa de ajudar aquelas pessoas desaparecidas em crimes sem solução, certamente irá ler esse livro com esse sentimento.

Recomendo o livro para àqueles que gostam de uma história muito bem escrita com fatos amarrados e não se importam com a quantidade de páginas.

Sobre o Autor


Joël Dicker nasceu em Genebra, na Suíça, em 1985. A verdade sobre o caso Harry Quebert, seu segundo romance, foi finalista do Prêmio Goncourt e venceu o Grande Prêmio de Romance da Academia Francesa e o Prêmio Goncourt des Lycéens.

Em janeiro de 2012, era um escritor desconhecido com quatro livros recusados por editoras. Hoje, aos 28 anos, é chamado de "Fenômeno mundial" e "a coisa mais excitante exportada pela Suíça desde o tenista Roger Federer".







Avaliação:



Até mais!

16 comentários:

  1. Oi, Pedro! Quando o livro é bem escrito, não me importo se tem 100 ou mil páginas. Aqui parece ser esse o caso, uma obra de qualidade. Não conhecia o livro e gostei da novidade. Eu o leria! Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Menina que livro TOP!
    Não conhecia o livro, e agora estou louca pra ler, OMG!
    Amo histórias assim <3
    Beijos e sucesso!
    http://amaisnovacasada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oláaa!!!
    Gente, quando a Intrínseca lançou esse livro em nem me interessei em ler a sinopse... se arrependimento matasse...
    Sua resenha me deixou bastante curiosa, com certeza é uma leitura de que eu com certeza gostaria muito, não apenas por envolver 'livros", mas pelo mistério envolvido e o aparente crescimento que esse mistério proporcionará aos personagens.

    Parabéns pela resenha!

    Beijos,
    Amanda
    http://minhasconfissoesfemininas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Caramba, é a primeira resenha positiva que vejo sobre esse livro. Até então tinha visto pelo menos duas que disseram ser o pior livro do mundo. Mesmo com essa recomendação pra correr desse livro ainda queria tirar minhas próprias conclusões e agora estou bem confuso. Pretendo ler o livro o quanto antes e saber se gosto ou desgosto da narrativa de Joel Dicker.

    Abraço!
    www.umomt.com

    ResponderExcluir
  5. Eu li em algum blog, acho que foi no O Batom de Clarice, um comentário negativo sobre esse livro. Agora com sua resenha me interessei pelo livro. Fora que adoro conhecer novo talentos da literatura.
    (Um comentário lugar comum: Adorei o blog. De verdade. Voltarei, "concerteza") ;)
    Abraços, para os dois!

    ResponderExcluir
  6. Caramba que livro interessante, conhecer novos autores é sempre bom e pela sua resenha já gostei da pegada desse aí. Com certeza vou prestar mais atenção nos próximos lançamentos dele :)

    Abraços!
    http://pipocaradioativa.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Pedro!
    Sua resenha é a primeira que vejo do livro, e tenho que confessar que amei!
    Leria esse livro fácil, fácil rsrs
    Adoro um bom mistério :)

    Parabéns pela resenha!
    Beijos!
    http://aculpaedosleitores.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Ola Pedro o livro sendo bem escrito , pode ser quantas páginas forem vale a pena, adorei a sinopse já chama a atenção, fiquei curiosa para saber o desfecho e descobrir o que aconteceu com a jovem assassinada . Vou ler com certeza . abraços

    ResponderExcluir
  9. Oieee, ainda não conhecia o autor, sobre o livro eu vi ele em um site de lançamentos e a capa tinha chamado minha atenção, mas acho que mudei de ideia, a capa não é tão bonita assim, e a história não faz muito o meu estilo, tenho a impressão de que estes livros com estes toques de suspense policial são ruins, já abandonei vários livros deste tipo por isso hoje eu nem tento ler rsrs, mesmo assim adorei a dica de leitura rs, Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Peguei um marcador desse livro no estande da Intrínseca na Bienal, e queria muito saber mais sobre ele. Então, adorei encontrar sua resenha!! Olha, eu era apaixonada por Cold Case, e acho que tenho muitas chances de me apaixonar por essa história também. Livros grandes não me assustam nem um pouco, e vou tentar comprar o meu no fim da Bienal, se conseguir um desconto bom.

    beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  11. Oii,
    Adorei sua resenha. Ainda não tinha lido nada sobre o livro e parece ser muito legal ver um livro falando justamente do mundo literário, contratos editoriais e a resolução/explicação de um assassinato. Certamente o leria :)

    Abraço
    Adriano
    GeraçãoLeitura.com || http://geracaoleiturapontocom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Esse é um livro que eu estou querendo desde o lançamento. quando veio a parceria com a intrínseca eu logo pensei nele, mas ai dei de cara com o monstro na livraria e desisti. Um livro desse tamanho não da para pedir de parceria.. É daqueles livros para você comprar e ler com toda a calma do mundo. Então, ele está na minha lista, esperando para ser comprado rs
    Curti a resenha porque você já me deu 90% d certeza que eu vou gostar hahaha

    Beeijos, Dreeh.
    Blog Mais que Livros

    ResponderExcluir
  13. Olá Pedro,
    bom eu nunca havia lido nada sobre este livro, e nem o conhecia. Mas pela sua resenha noto que o livro trás muita coisa boa. Olha eu não assisti ao cold case, mas se é algo parecido com tentar ajudar a selecionar casos, com pegada se suspense, com certeza vou querer a este livro, gosto muito de narrativas assim.
    E pelo visto é uma leitura que deve ser feita com calma, então já marquei aqui o livro e vou procurar por ele.
    Adorei sua resenha!

    Beijokas Ana Zuky

    ResponderExcluir
  14. OI Pedro!
    O número de páginas de um livro nunca me assustou, querido! Muito pelo contrario, eu sempre pensei que quanto mais pages, mais história esse livro tem para me contar! Me encantei com sua resenha, espero ler essa obra!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  15. Olá Pedro, tudo bem?

    Incrível como vejo a cada dia mais livros que se baseiam em flashbacks para contar o que acontece com determinados personagens. O mesmo está ocorrendo em "Se Eu Ficar". Gostei do enredo, pois se assemelhou, em partes, com o novo livro do Gomyde <3.

    Beijos

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!