Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
1

Resenha #101: Festim das 12 Cadeiras - Elvis delBagno


Lido em: Julho de 2015
Título: Festim das 12 cadeiras
Autor: Elvis delBagno
Editora: Schoba
Gênero: Ficção / Sátira
Ano: 2015
Páginas: 164

Adicione esse livro ao Skoob

Avaliação:  
    






Resenha:

Festim da 12 Cadeiras nos traz a história de Laerte e Carlos, um casal homossexual riquíssimo e badalado, que todo ano realiza um jantar especial para convidados da high society. Para um desses jantares, o casal decidiu comprar um conjunto de doze cadeiras russas, as únicas que existem em todo o planeta, simplesmente para 'ostentar'. Entretanto, ao receberem o conjunto, constatam que há algo de errado com uma das cadeiras: o assento está duro, como se houvesse algo dentro do assento. Decidem então investigar e, entre várias teorias e possibilidades, resolvem abrir o estofado para verificar o que realmente está ali dentro. 

Descobrem então um tesouro. Já estando saturados de tanto dinheiro, decidem fazer uma espécie de sorteio: o convidado que sentar na cadeira premiada poderá ficar com a fortuna que há nela. Todavia, não poderia ser tão fácil, não é mesmo? Que graça teria? Sendo assim, decidem colocar apenas onze cadeiras na mesa do jantar e, aquele convidado que for altruísta o bastante para ceder seu lugar aos outros convidados e acabar de pé, tendo que arrastar a cadeira isolada, ganharia o tesouro, avaliado em R$100.000,00.

Porque Deus não observa cada um de nós com um caderninho em mãos, anotando nossas fragilidades. Isso é uma herança da Inquisição, que torturava, queimava ou trancafiada seres humanos em um porão porque eles não se adequavam a tais conceitos religiosos. Onde está a liberdade para se pensar?


0

Parceria: E. Samuel - Em Busca do Amuleto de Aloni

Olá, leitores. Prontos para mais uma novidade?
A autora E. Samuel entrou em contato conosco e acabamos por fechar parceria. Seu livro livro é uma fantasia juvenil cheia de aventuras chamado Em Busca de Amuleto de Aloni e é o primeiro de uma série intitulada As Quatro Portas do Tesouro.



Daniel não imagina que depois de viver anos em uma metrópole, vai encontrar em uma pequena cidade, a grande aventura de sua vida! Juntamente com seus dois melhores amigos, Júlio e Marcelo, descobre a Mata do Anatema, cercada de lendas e mistérios. 

Mas será possível que tudo o que falam sobre esse lugar seja verdade? Chegar um pouco mais perto não vai fazer mal nenhum... ou vai? 

Uma aventura cheia de desafios, coragem, criaturas fantásticas e, principalmente, superação de limites! “Em Busca do Amuleto de Aloni”, o primeiro livro da série “As Quatro Portas do Tesouro”, traz aos jovens leitores uma história bem humorada e cheia de emoção, aventuras e fantasia, que vai capturar a atenção de jovens e crianças de todas as idades.



E. Samuel


E. Samuel nasceu na cidade de São Paulo em 1974. Seu gosto pela leitura começou cedo, quando por volta de oito anos de idade, leu seu primeiro livro. A partir daí, nunca mais parou e a leitura passou a ser uma parte constante de sua vida. Com cerca de 12 anos se enveredou em sua primeira aventura literária, onde escreveu seu primeiro conto, que no futuro daria origem ao que é hoje o livro “As Quatro Portas do Tesouro – Em Busca do Amuleto de Aloni”.

Aos 18 anos ingressou no curso de Engenharia Agrícola na UNICAMP, onde se formou em 1997.  Morou em Campinas por alguns anos até voltar para São Paulo em 2001. Durante o período que esteve em São Paulo, começou a reescrever o seu conto de infância. Em 2002 mudou-se para o Canadá, onde viveu por 12 anos.  Durante sua temporada no Canadá, E. Samuel fez o curso de “Advanced Fiction Writing” no “Centre for Extended Learning and Professional Development” da “University of Waterloo”.

Durante esses anos, E. Samuel continuou trabalhando em seus livros, além de ser colaboradora eventual em revistas e blogs brasileiros locais. Em 2014, lançou no Canadá e no Brasil o livro “Em Busca do Amuleto de Aloni”, o primeiro livro da série “As Quatro Portas do Tesouro”.


Atualmente, E. Samuel mora com seu marido e seus filhos no estado de New Jersey nos EUA.

Confira mais informações:


Título: As Quatro Portas do Tesouro
Série: Em Busca do Amuleto de Aloni - Livro 1
Páginas: 235
Editora: Independente
ISBN: 9781496044013
Ano: 2014
Sitewww.asquatroportasdotesouro.com
Twitter: @ES4muel
Instagram: @e._samuel
Adicione o livro ao SKOOB

Já recebemos o livro e logo mais postaremos nossas impressões em uma resenha. Aguardem!

Gostaram da novidade? 

1

Resenha #100: A Última Dança de Chaplin - Fábio Stassi


Lido em: Agosto de 2015
Título: A Última Dança de Chaplin
Autor: Fábio Stassi
Editora: Intrínseca
Gênero: Ficção
Ano: 2015
Páginas: 224

Adicione esse livro ao Skoob

Avaliação: 
      




Resenha:

Para escapar da Morte, Chaplin precisa fazê-la rir. Esta é a premissa do mais novo livro do autor Fabio Stassi publicado no Brasil pela Editora Intrínseca. Chaplin já se encontra com oitenta e dois anos e, inconformado com a chance iminente de partir para 'o outro lado' sem ter a possibilidade de estar presente para presenciar o crescimento de seu filho, decide então fazer uma aposta simples e direta com a Morte: caso ele a consiga fazer rir, ganhará um ano de vida, até o Natal do ano seguinte. Sendo assim, a Morte todo ano o visita. Enquanto espera o encontro fatídico, Chaplin escreve uma carta para o filho, contando a ele seu passado: da infância pobre na Inglaterra, com o pai alcoólatra e a mãe louca, ao auge do sucesso nas telas de cinema dos Estados Unidos, passando pelo circo, pelo vaudeville e por empregos estranhos, como tipógrafo, boxeador e embalsamador.


Abordando temas variados, que levam o leitor da magia do picadeiro ao esplendor do surgimento dos primeiros filmes produzidos no mundo, Fabio Stassi faz uma leve e suave mistura entre fantasia e realidade. Durante o decorrer da narrativa, é perceptível que o autor possui um bom conhecimento acerca do que escreve. Esse 'estudo' da biografia de Chaplin agregou um valor incomensurável à obra, já que essa junção entre fatos verdadeiros e pensamentos ficcionais transformou o conjunto em uma dos livros mais belos e tocantes que li no ano em que estamos.

O enredo em si é, de forma geral, consistente. A escrita do Stassi consegue ser fluida e ao mesmo tempo bem elaborada, nos deixando presos ao livro e tudo que ele tem a nos oferecer. Há em toda a narrativa, em especial nas cenas onde a Morte interage com Chaplin, passagens bem humoradas que chegam a arrancam gargalhadas do leitor.

Aprender a perder a perfeição é cruel demais e persegui-la por toda a vida é um gesto inútil e soberbo.


O livro começa de uma maneira não muito convencional e que não parece estar, de maneira nenhuma, ligada ao protagonista. Entretanto, essa história paralela à de Chaplin consegue ser fantástica e ao mesmo tempo singela, fazendo com que lágrimas brotem em nossos olhos sem que percebamos. Todos os personagens são muito bem construídos e descritos, tornando-os vivos em nossas mentes.

Além de nos mostrar a vida em si do protagonista, Fábio Stassi também explicita tudo aquilo que acontecia no mundo na época de Charles. Há passagens críticas sobre o KKK (também conhecido como Ku Klux Klan), sobre o monopólio capitalista das grandes produtoras, além de vários outros pareceres sobre a organização social e cultural daquele momento da história mundial.


E o silêncio, em um sujeito alegre como ele, doía, porque soava como uma nota desafinada.

Não há palavras que possam definir o quão maravilhoso está o trabalho do exemplar físico da obra. A capa, como vocês podem perceber pelas imagens, está simplesmente perfeita. Todo o trabalho gráfico interno também está de primeiríssima qualidade, assim como o material usado na confecção do livro. A fonte é um pouco menor do que a que costumamos ver por aí, mas nada que chegue a desagradar. As folhas são levemente amareladas.

Dizem que o universo surgiu de uma grande e incompreensível explosão. Para mim, deve ter acontecido no picadeiro de um circo. Uma mulher dava piruetas no ar e um homem capturou seu movimento em uma caixa mágica , e o reproduziu infinitamente, até povoar a terra de sombras e enchê-la de serragem, risadas e lágrimas. Deve ter sido assim, Christopher, porque só na desordem do amor toda acrobacia é possível.

Se você, assim como eu, gosta de conhecer um pouco sobre a vida de pessoas importantes que um dia colaboraram para o crescimento e evolução do nosso mundo, creio que esse seja um dos livros que você não pode deixar de fora de sua lista de leitura. Ficção e realidade se misturam de forma inimaginável produzindo efeitos arrebatadores em nossos corações. Não perca a oportunidade! Leia A Última Dança de Chaplin e se surpreenda com o quão agradável a morte pode ser!

Até logo,
Sérgio H.

13

Resenha #99: Este é Um livro Sobre o Amor - Paula Gicovate

Edição: 1
Autora: Paula Gicovate
Editora: Guarda-Chuva
Gênero: Ficção/Romance Brasileiro
ISBN: 978-85-99537-34-3
Ano: 2014
Páginas: 96


Adicione esse livro ao Skoob


Avaliação:





RESENHA



1

Resenha #98: Evoluir é simples, nós é que complicamos - Manolo Quesada

 
Lido em: Julho de 2015
Título: Evoluir é simples, nós é que complicamos
Autora: Manolo Quesada
Editora: Petit
Gênero: Não-ficcional
Ano: 2015
Páginas: 184


Adicione esse livro ao Skoob

  Avaliação:    
     



Resenha:

Quem me conhece sabe que não sou uma pessoa que é muito ligada em religião. Entretanto, sempre tive uma certa curiosidade com relação ao espiritismo. Nunca havia tido chance de ter uma experiência com essa doutrina... até mês passado. A Editora Petit, com todo o seu charme, me cedeu um exemplar de "Evoluir é simples, nós é que complicamos", do autor Manolo Quesada, livro que será resenhado agora!

Sabe quando você está louco para ler uma obra, para conhecer um pouco mais sobre o mundo que ela aborda, e de repente você a tem em mãos? Essa foi a sensação que tive quando peguei pela primeira vez o meu exemplar. Assim que ele chegou na minha casa, comecei a lê-lo. De cara, fiquei encantado com a escrita fluida do Quesada, bem como sua forma simples e até mesmo didática de mostrar ao leitor alguns conceitos básicos do espiritismo.

"Em teoria, sabemos muito do amor, mas o amor não é teoria, é realidade. Quando nos deparamos com isso, vemos que não conhecemos o amor tão a fundo quanto necessitaríamos."



6

#Maratona Literária dos Sem-Bienal 2015



Para muitos, setembro de 2015 significa Bienal do Livro no Rio de Janeiro, no entanto, não são todos os que têm a oportunidade de ir até o evento. Somos alguns desses, infelizmente, e pensando nisso, resolvemos criar a Maratona Literária dos Sem-Bienal (Na verdade, o Andre do Andrecefalia que apareceu com a ideia. Obrigado, Andre!).

Sabemos que nada substitui a oportunidade de comprar ótimos livros no precinho camarada, ou de encontrar amigos que só temos contato através da blogosfera e até mesmo de poder conhecer um autor que apreciamos muito o seu trabalho. Mas para nosso conforto, nós não vamos colocar uma meta; nós vamos deixar uma meta aberta e quando atingirmos a meta, nós dobramos a meta. Resumindo, queremos ao invés de encher a estante de livro (já atolada de não-lidos), dar andamento as leituras atrasadas, ou simplesmente ter um número de leituras maior do que o habitual.


SOBRE A A MARATONA


O evento ocorrerá nos dias 5, 6 e 7 de setembro e consiste numa dedicação maior à leitura. O preenchimento do formulário não é obrigatório, mas para um maior controle, seria útil a inscrição dos participantes, além do mais, iremos realizar sorteios dentre os que preencheram. Ah, e tem um espaço especial para preenchimento de quem postou a TBR em seu blog ou redes sociais (espaço que também será utilizado para a realização de sorteios).
A página http://sembienal.tumblr.com/ será a "casa" da maratona e, aos poucos, será atualizada com as regras, prêmios, sorteios e resultados. Nas redes sociais, podem usar a hashtag #SEMBIENAL.
Clique na imagem abaixa para ser direcionado ao formulário:

Lembrando que as inscrições poderão ser feitas até às 23h59 da sexta-feira. 


É isso, conto com a participação de todos e será uma maratona bem produtiva. Em breve postarei minha TBR. Dúvidas, se vai participar ou não, deixe nos comentários e se já postou sua TBR, avise, será um prazer espiar.
Enquanto isso aproveite para conhecer os o ganizadores:


CONHEÇA E ACOMPANHE OS ORGANIZADORES




12

Resenha #97: Naomi & Ely e a Lista do Não-Beijo - David Levithan/Rachel Cohn

Lido em: Agosto de 2015
Título: Naomi & Ely e a lista do não beijo
Autor: David Levithan & Rachel Cohn
Editora: Galera Record
Gênero: Young Adult
Ano: 2015
Páginas: 256

Adicione esse livro ao Skoob

  Avaliação:     






Resenha:

Oi, pessoinhas do DCNL! Como vocês estão? Estou invadindo o espaço dos meninos novamente para mais uma resenha de um dos meus autores favoritos. Espero que gostem! ^^

Naomi e Ely e a Lista do Não Beijo é um livro leve, com certeza, e não tem grandes significados, como outros livros do autor, David Levithan, apresenta. Entretanto, a leitura é prazerosa, rápida e muito fofa, de forma que o leitor se vê totalmente envolvido por sua trama e por todos os seus personagens. A obra, elaborada em colaboração com a autora Rachel Cohn, garante aquele cantinho especial na sua coleção, de uma forma que finalizar o romance pode gerar um misto impressionante de amor e ódio.

Naomi é a garota popular que sempre teve todos os garotos que quis, ou até mesmo aquele que não quis. Bastaria uma piscadela ou então uma jogada de cabelo para deixar qualquer cara caidinho por ela. Bonita, inteligente, descolada e muito sensual, Naomi sempre foi à garota mais cobiçada do prédio. E não que isso seja ruim. Pelo contrário, ela ama essa atenção, mas o único cara que ela queria chamar atenção é único que nunca terá. Ely é sua paixão platônica desde a infância, e mesmo agora, já com outros pensamentos, isto nunca mudou; o sentimento continua ali. Mas Ely não gosta de Naomi. Na realidade Ely não gosta de garotas. E é em uma improvável situação que ele acaba beijando o namorado dela, abalando a amizade dos dois. Seria Naomi capaz de perdoar Ely pelo deslize? Seria capaz de prosseguir sua vida sabendo que seu grande amor, jamais será mais do que seu grande amigo?

“Podem dizer que sou antiquado, mas estou esperando pelo amor verdadeiro. Ainda que não passe de uma fantasia inatingível."



“Existem muitas maneiras de se obrigar a tomar uma decisão. Fazemos isso o tempo todo, tomar decisões. Se realmente pensássemos em cada decisão que tomamos, ficaríamos paralisados. Qual palavra dizer agora? Para onde ir? O que olhar? Que número discar? Você precisa escolher quais decisões vai tomar, e depois esquecer o resto."

Levithan e Cohn guiam o leitor por uma divertida aventura romântica, cheia de encontros e desencontros, onde o foco é o relacionamento entre as pessoas. Narrado em terceira pessoa, sob a perspectiva de diversos personagens, desde os protagonistas aos secundários, Naomi e Ely deixam no leitor aquela sensação de preenchimento, momentos fofos e apaixonantes, onde a todo instante parece que estamos vivendo uma nova emoção.  Como já esperado de obras de Levithan, o livro também está recheado de passagens encantadoras e memoráveis.

“Mas minha mente não tem capacidade de dominar meu coração."

Ao mesmo tempo em que a diferenciação de pontos de vista é extremamente positiva, por outra se torna negativa. O lado positivo de tantos personagens narrarem é a perspectiva que o leitor ganha sobre toda a mudança que acontece no ambiente ao redor de Naomi e Ely, quando os amigos inseparáveis se vêem em uma situação que nem a amizade parece ser forte o suficiente para relevar. Visualizamos como esse fim de relacionamento, afeta diversas pessoas que convivem a sua volta, desde positivamente, quanto negativamente. Neste aspecto os autores trabalharam excelentemente. Como visto na sinopse oficial, o livro tem como idéia central tratar sobre a relação intrincada desses personagens, focando como fator principal o amor e a maneira como este sentimento pode afetar algo tão forte e duradouro. Embora a obra não apresente grandes questionamentos filosóficos (como em Dois Garotos Se Beijando ou Todo Dia), ainda sim mantém uma qualidade agradável e extremamente viciante, alavancando um verdadeiro estudo social entre as complexas relações humanas.


O ponto negativo de todas essas visões foi o número absurdo de informações desnecessárias, e a meu ver, alguns capítulos sem muita graça e com pouca relevância. Alguns personagens se tornam até meio descartáveis, já que sua convivência não está tão interligada aos protagonistas, e novos assuntos e novos relacionamentos começam a ser tratados nesta verdadeira rede de conflitos que Naomi e Ely e a Lista do Não Beijo se transforma. Em nenhum momento, porém, isso afeta o ritmo de leitura. A obra optou por apostar no humor, e nesse quesito, não deixou a desejar. Sem falar que a convergência de tantos pontos de opiniões não falha também, tendo um final muito bem arquitetado, emocionante até certo ponto e inteiramente concreto.

Seus personagens são ricos em personalidade, isto é inquestionável, mas não entram para minha lista de favoritas. Embora Ely e Naomi sejam protagonistas bem mistificados, com personalidades fortes, meio estereotipadas (ela a mocinha metida e popular; ele o gay purpurina e amigo para todas as horas) o egocentrismos de ambos durante boa parte do livro me levou a não me cativar tanto por eles. Como mencionei acima, finalizei a leitura com um misto de amor e ódio, sem saber se eles eram realmente fofos e precisavam apenas amadurecer, ou se eram personagens voláteis demais, de forma que não consegui ter uma visualização muito correta sobre eles. Se o amadurecimento deles tivesse acontecido mais cedo, de forma a explorar a história sobre esse outro campo, acredito que talvez tivesse me identificado mais.


O mesmo não posso dizer sobre o secundarista Bruce, o Primeiro. Além de possuir uma personalidade bem peculiar (também estereotipada (típico garoto nerd e apaixonado)), foi um dos poucos personagens que consegui me afeiçoar e me identificar, não só no quesito personalidade, mas também nas ações. Extremamente inexpressível, trancado em uma paixão da qual não consegue se livrar, o personagem me cativou, e embora sua exploração ao desfecho do livro tenha sido quase nula, gostaria de saber mais sobre que rumos seu destino tomou. De longe, o personagem que mais gostei.

“É uma grande mentira dizer que só existe uma pessoa com quem se vai ficar pelo resto da vida. Se tiver sorte – e se esforçar bastante -, sempre haverá mais de uma."

Contamos ainda com uma edição muito singela e bela, tendo uma capa muito atrativa e uma revisão impecável :) Naomi e Ely é uma pedida imperdível para os fãs do autor, e para quem gosta de um bom romance chick lit. Com uma pegada parecida, o livro é fofo e muito envolvente, tendo um ritmo gostoso e super leve.

Até logo,
David Andrade.

0

Conheça: Lançamentos de Agosto - Editora Intrínseca



Autoridade, de Jeff VanderMeer

Por décadas, o Comando Sul foi responsável por enviar expedições à Área X, uma região isolada de toda influência humana e cercada por uma barreira invisível. Com o fim da conturbada décima segunda expedição, um novo diretor é nomeado para a instituição, com o objetivo de organizar o caos instaurado. Mas a cada descoberta, novos fatos perturbadores sobre a Área X e o Comando Sul ameaçam ainda mais a ordem. [Leia +]
Leia também: O Comando Sul precisa de Controle









3

Resenha #96: Dead Island - Mark Morris



Lido em: Agosto de 2015
Título: Dead Island
Autora: Mark Morris
Editora: Galera Record
Gênero: Ficção
Ano: 2015
Páginas: 280


Adicione esse livro ao Skoob

  Avaliação:      

 



Resenha:

Em Dead Island, livro baseado em um jogo homônimo, conhecemos a ilha fictícia de Banoi, local altamente visitado por turistas, um refúgio para aqueles que querem se livrar da vida caótica das cidades grandes e aproveitar uma bela vista com todas as mordomias que um resort pode oferecer. Entretanto, tudo parece mudar quando um vírus letal e misterioso começa a assolar a população nativa da região, e rapidamente essa pequena infecção toma proporções pandêmicas.

A trama se passa em torno de quatro personagens principais: Sam, um rapper que ficou famoso pelo seu primeiro e único hit e, depois disso, caiu no esquecimento; Purna, uma australiana durona que trabalha como guarda-costas para pessoas ricas; Logan, um atacante de futebol americano que se aposentou após ter cometido um ato irresponsável e imaturo; e Xian Mei, uma atendente do hotel que esconde um segredo triste e que ao mesmo tempo a faz se sentir impotente. Vale salientar que novos personagens nos são apresentados a todo momento, deixando a narrativa muito mais envolvente e agitada, mas que os protagonistas são os acima citados.


2

Resenha #95: A Garota Gotic e O Fantasma de Um Rato - Chris Ridell


Lido em: Julho de 2015
Título: A Garota Gotic e o Fantasma de um Rato
Autora: Chris Riddell
Editora: Galera Record Junior
Gênero: Ficção Juvenil Inglesa
Ano: 2015
Páginas: 240

Adicione esse livro ao Skoob


  Avaliação:      



Resenha:

A Garota Gotic e O Fantasma de Um Rato é um livro infanto-juvenil lançado pela Editora Galera Junior e que conta a história da pequena Ada Gotic, filha do Lorde Gotic Quinto, uma menina bastante peculiar e que vive em um universo ainda mais peculiar.
1

Resenha #94: Rich e Mad - William Nicholson

Lido em: Agosto de 2015
Título: Rich e Mad
Autora: William Nicholson
Editora: Galera Record
Gênero: Romance
Ano: 2015
Páginas: 304

Adicione esse livro ao Skoob

  Avaliação:






Resenha:

Em Rich e Mad, conhecemos Maddy, usualmente chamada de Mad. Ela é uma garota que não sabe o tamanho da sua beleza e importância. Decide, de forma simples, que aos 16 anos era a hora de se apaixonar perdidamente, e o escolhido para ser o seu amor é o Joe Finnigan, o garoto mais popular da escola.

Já Rich, é um garoto tímido, sem muitos amigos, e por ser amigo de um professor excêntrico é taxado como gay. Mas o que as pessoas não sabem é que sua paixão é Grace Carey, uma das garotas mais bonitas do colégio.

“Seu sonhos o fazem feliz. Acordar machuca. Mas ele prefere sonhar e se machucar a não amar.”



2

Resenha #93: Navegue à Lagrima - Leticia Wierzchowski

Edição: 1
Autora: Leticia Wierzchowski
Editora: Intrínseca
Gênero: Ficção/Romance Brasileiro
ISBN: 978-85-8057-744-0
Ano: 2015
Páginas: 208


Adicione esse livro ao Skoob


Avaliação:




Resenha:



O mais recente romance da Leticia Wierzchowski, traz a mesma sensibilidade contida em seu último livro, Sal, com uma escrita rica e tocante, personagens bem estruturados e de uma humanidade ímpar.

Após uma perda, a editora Heloísa busca refúgio em uma casa na zona litorânea do Uruguai, que antes pertencera a uma escritora renomada chamada Laura Berman. Sozinha, Heloísa passa seus dias na presença do resto da mobília e pertences deixados pelos antigos moradores, contendo um pouco das memórias da família que ali residia. Entre um drinque e outro, como se abrisse uma faixa no tempo, Heloísa passa a ter visões dos antigos moradores na casa; tomando banho na piscina, conversando, as crianças correndo e brincando... não de forma assustadora, mas como se um projetor estivesse ligado e dando vida a essas lembranças. No meio disso tudo, editora e escritora terão suas vidas unidas por meio de recordações.


Navegue à Lagrima é narrado em primeira pessoa pela personagem Heloísa, ela começa sua narrativa falando de sua obsessão por essa família, porém alerta que não foi ela quem começou a correr atrás e que precisa escrever essa história. Esta é uma obra rica nos pequenos detalhes que fazem toda a diferença e são neles que a personagem principal encontrará soluções para superar suas perdas e chegar ao conforto. Ela conversa com o leitor, dialoga e brinca na hora de contar sua história; um capítulo dedica a sua vida, enquanto no outro passa a atribuir à sua admirada autora Laura Berman. São poucos os diálogos contido na obra, mas que são compensados com muitas reflexões sobre o atual momento, a perda do esposo, o filho já adulto e tudo isso entrando em interseção com a família que na casa começa a transitar. A escrita da Letícia Wierzchowski é bem poética e floreada, com um léxico bem utilizados e que causa certa inveja aos escritores amadores.

Porque a felicidade – e essa história, creio, versa um pouco sobre isso, sobre um tempo especial da vida em que todas as coisas parecem perfeitamente encaixadas, unidas com graça, elevadas por uma simbiose perfeita -, bem, a felicidade é sutil, é discreta e delicada feito um beija-flor, esse passarinho que consegue a proeza de bater asas até oitenta vezes em um único segundo. Assim é a felicidade, essa transformadora dos dias, hábil artesã das coincidências. – Pág. 110

Temos duas histórias de amor: uma linda onde o Deus Pã colocou sua mão ajudando para que o tempo não conseguisse quebrar, que ultrapassou barreiras e que nos mostra o quanto é possível se esvair daquele amor, quase que completamente (senti-lo ir embora), mas mesmo com uma lacuna de décadas, voltar a ter a mesma chama que uniu o casal um dia. E a outra, que parece esquecida aos deuses, que tentou por duas vezes, mas que por uma doença, ou por falta do sentimento amor, não conseguiu se estruturar por muito tempo ou deixou apenas saudades e uma semente.


Senti um certo tom de autobiografia em algumas nuances do romance, como a personagem Laura ser escritora, as circunstancias em que ela conhece o esposo Leon, a cor dos cabelos e a quantidade de filhos. Posso estar me equivocando no momento, mas esses detalhes me lembraram um pouco da vida da Letícia Wierzchowski. Não estou tirando mérito da autora, ao contrário, isso deixou o livro ainda mais especial. ♥
Gosto de ler seus livros, gosto mesmo.
Gosto de buscar, no meio da sua ficção, as pistas da vida real que as páginas escondem. Ora, sei perfeitamente bem, pois sou uma leitora voraz, que a literatura é a invenção, é criação, mas sempre há o pó da vida nos cantos da literatura, como pegadas, como marcas sutis da humanidade e do passo do autor. – Pág. 132
Mais uma vez a autora me surpreendeu e confirmou sua entrada no meu time de autores favoritos, me deixando instigado a ler todas a suas obras, independente de ser para crianças ou adultos. Gostei demais de poder navegar nas recordações das duas histórias e pude refletir sobre assuntos essenciais para a vida, como a convivência mútua.

Até mais,
Pedro Silva

4

Resenha #92: A Traição de Natalie Hargrove - Lauren Kate

Lido em: Julho de 2015
Título: A Traição de Natalie Hargrove
Autora: Lauren Kate
Editora: Galera Record
Gênero: Ficção
Ano: 2015
Páginas: 240

Adicione esse livro ao Skoob

  Avaliação:     



Resenha:

A Traição de Natalie Hargrove, a primeira vista, parece ser um livro gótico, sombrio e misterioso, mas conforme a leitura avança, percebemos que existe mais história por trás do que aparenta. O livro tem um mistério típico da alta sociedade com um toque de futilidade, mas isso não impede que a leitura seja envolvente.

Natalie, ou apenas Nat, é a garota mais popular de Palmetto High. Suas fortes características são seus cabelos pretos e seu olhar ambicioso. Nat simplesmente controla tudo e todos a sua volta, até seu namorado, o rico e jogador de futebol, Mike King. Os dois juntos formam o casal mais popular da escola, e o que eles mais anseiam desde que iniciaram o relacionamento é serem coroados rei e rainha de Palmetto High. Entretanto, por mais que eles tenham todos os atributos para conseguir a 'coroa', há uma pessoa que pode atrapalhar tudo: Justin Balmer.

“O mais estranho, percebi, é que eu queria que ele se lembrasse. Queria que ele se sentisse constrangido ao saber que eu estivera por trás de tudo. Ele podia ter começado a nossa rixa, mas eu iria rir por ultimo.”


A narrativa se desenrola aos poucos, mas de forma rápida e instigante. E, de repente, o baile acontece. Uma típica festa que dá motivos para todos ficarem bêbados e com o mínimo de roupas possível. Com Justin Balmer bêbado e vestido de mulher, Natalie e Mike resolvem fazer uma brincadeira, amarrando-o inconsciente no presépio da igreja. Entretanto, o que eles não esperavam é que no dia seguinte esse trote passaria de todos os limites imaginados, já que Justin é encontrado morto, levando a história à um mundo de mentiras e segredos.

Natalie carrega consigo uma personalidade forte. Por mais que os motivos sejam fúteis, ela consegue deixar tudo carregado — até uma simples fala —, e seu desejo pela a coroa a faz atingir limites e fazer coisas que nem ela imaginava ser capaz. Embora todo o enredo pareça bastante previsível, Lauren Kate consegue surpreender qualquer leitor com um desfecho de tirar o fôlego.

“Ele balançou a cabeça e estreitou os olhos escuros quando eu me aproximei. Um frio percorreu a minha espinha quando ele murmurou:
 — Nat, o que você fez?”


Segundo a própria autora, seu livro é inspirado no clássico Shakespereano Macbeth, e como também já o li, posso dizer que ambos possuem como um dos temas principais a caçada pelo sucesso, mas que nos mostra também que todo cuidado é pouco: que a ganância pode levar o ser humano aos lugares mais profundos e inimagináveis. Para concluir, gostaria de dizer que A Traição de Natalie Hargrove é um livro simples e de leitura rápida, daqueles que podemos ler em uma tarde fria de inverno.


Até logo,
Sofia F.

0

Resenha #91: Ela Não é Invisível - Marcus Sedgwick

Lido em: Julho de 2015
Título: Ela Não é Invisível
Autor: Marcus Sedgwick
Editora: Galera
Edição: 1
Ano: 2015
Páginas: 254

Adicione esse livro ao Skoob.

Avaliação:




RESENHA


Ela Não é Invísivel é o mais novo lançamento do autor, ilustrador e músico britânico Marcus Sedgwick, publicado pela Galera Record. O romance narra uma aventura de uma jovem cega de 16 anos, Laureth Peak. A menina é filha de um famoso escritor inglês, Jack Peak, que vive viajando para fazer pesquisa sobre os seus novos livros.

Durante uma das viagens do autor, que supostamente estaria na Suíça, Laureth fica sem notícias de seu pai e a preocupação dela só aumenta depois de receber um estranho e-mail de um americano, Sr. Michael Walker, que diz ter encontrado o “Livro Breu”, um pequeno caderno onde o pai de Laureth anota suas principais ideias e seus projetos.


Instigada pela curiosidade de saber onde seu pai realmente está e como o seu caderno foi parar em continente Norte Americano, Laureth rouba um dos cartões de crédito de sua mãe e, aproveitando-se de uma pequena viagem que ela teve de fazer, embarca com o seu irmão mais novo, Benjamin, e Stan – o corvo de pelúcia e amigo imaginário de Ben – para Nova York, sem nada mais concreto do que um encontro marcado em uma biblioteca com um completo estranho.

Com nada mais que um cartão de crédito roubado e alguns dólares, Laureth e seu irmão seguem pistas cada vez mais estranhas - que envolvem supostas sociedades secretas, Edgar Allan Poe e muitas coincidências –  para tentar descobrir o paradeiro de Jack, tudo isso enquanto correm contra o tempo para tentarem voltar para casa antes que alguém se dê conta do sumiço de ambos.


“Mas acontece que nunca se sabe o que é ou não verdade, o que pode ou não ser impossível, até que se faça uma tentativa.”



A leitura do livro é muito rápida e simples, consegui terminar de lê-lo em menos de um dia. A linguagem é muito tranquila e a história foi muito bem estruturada, sem deixar nenhuma “ponta solta”. 

O que mais me chamou atenção no livro foi a perspectiva de ter uma história narrada do ponto de vista de alguém que é deficiente visual, ou seja, o leitor se sente um pouco na pele do personagem, o que nos leva a entender sobre as limitações que essas pessoas tem e como elas reagem às mais diversas situações, principalmente ao preconceito.


Apesar de ter um enredo fantástico e uma escrita realmente divertida, o autor consegue surpreender ainda mais com uma pequena “surpresa” que ele deixa escondida durante toda a história e só nos revela no último parágrafo do livro, eu fiquei encantada com esse pequeno detalhe. O autor apostou em algo muito interessante e que eu ainda não tinha visto em nenhum outro livro, isso conquistou demais o meu carinho, fazendo a história entrar para o rol dos livros favoritos.

Por fim, devo mencionar que a diagramação do livro ficou muito linda, antes de qualquer outra coisa ele me ganhou pela capa, que ficou muito encantadora. A letra está em uma fonte ideal e muito agradável de ler, além das folhas serem amarelinhas e bem grossinhas. Adorei.

Até mais!
Maria Clara Donato

2

Caixinha de Correio #15: Mês de Julho

Caixinha do Sérgio



Parceria:


A garota no Trem - Paula Hawkins
Durante a semana havia lido diversas recomendações desse livro e, quando menos espera, o mesmo chega em minha casa. Grupo Editorial Record derrubando forninhos, hein?

Brilhantes - Marcus Sakey
Sabe quando você está louco para ler um livro e, de repente, ele chega em sua casa? Foi assim que eu me senti quando esse bebê chegou por aqui. Nem imaginava que iria tê-lo e a Galera Record o mandou pra mim... fiquei simplesmente maravilhado!


A última dança de Chaplin - Fabio Stassi
Desde o lançamento desse livro estou louco para lê-lo, mas ainda não havia tido oportunidade para tal. Decidi, então, 'criar vergonha na cara' e solicitá-lo de parceria com a Editora Intrínseca. Estou lendo-o agora e em breve vocês saberão o que achei dele!

Descomplicando o Espiritismo - Ricardo O.
Quem me conhece sabe que não sou o menino padrão da nossa sociedade. Gosto de conhecer vários mundos e culturas. Sendo assim, por que não conhecer um pouco mais o espiritismo?



Compras:

Círculo - Mats Strandberg e Sara Bergmark
Uma conhecida estava vendendo esse livro e, como sempre quis lê-lo, decidi que estava mais do que na hora de adquiri-lo. Paguei pouquíssimo por ele e fiquei muito feliz com meu novo "queridinho" da estante. Espero poder lê-lo em breve!

Não se apega, não - Isabela Freiras
Creio que possa usar a mesma explicação da compra anterior para essa. O livro sempre chamou minha atenção e, apesar das críticas negativas, sempre tive vontade de querer ter a MINHA opinião sobre ele... bom, acho que agora vai.


Trocas:


Mares de Sangue - Scott Lynch
Já possuía o primeiro volume da série e, por possuir um livro desejado de uma amiga, decidimos realizar uma troca. Ainda não tive a chance de conhecer a série de perto — subentenda "conhecer de perto" como sendo "ler o primeiro volume" —, mas essas capas são arrasadoras e me deixaram super curioso! 







Caixinha do Pedro




Minha caixinha de correio ficou muito grande, por esse motivo, não irei comentar os livros livros que chegaram.


Parceria:



Eu Te Darei O Sol - Jandy Nelson (Novo Conceito) 
Livro mais que lindo que em breve soltarei a resenha para vocês. Recebi da Sharon do Guilda dos Leitores. ♥

Para Onde Vai o Amor - Carpinejar (Record)
Cortesia, ainda não tive tempo de lê-lo, mas estou curioso em relação ao autor.

Navegue à Lagrima - Leticia W. (Intrínseca)
Nacional maravilhindo que em breve soltarei resenha aqui no blog. 

Sugar - Vanessa de Cássia (Madras Hot):
Esse ficou para a Tamiris, do Pausa Para Um Livro. Em breve resenha o/

Garota Gotic -  (Galera Record)
Livro infantil que solicitei pela beleza dele em si e estava querendo ler algo mais leve e descontraído, sem compromisso grande.

Cira e o Velho e Anardeus -Walter Tierno (Giz Editorial):
Adorei a escrita do autor em Cira e O Velho e estou muito instigado para o seu segundo livro. o/



Compras:



Dupla Falta - Lionel Shriver 
Desde que li o Precisamos Falar Sobre Kevin, fiquei louco por todos os livros da autora. Tava barato e frete grátis, então barganhei o/


O Oceano no Fim do Caminho e Faça Boa Arte - Neil Gaiman
Desse autor eu só havia lido Coraline, gostei bastante e não pensei duas vezes ao ver essas belezuras em um bom preço.



Antes de Nascer o Mundo - Mia Couto
O Mia é vida. ♥

Poética - Ana Christina César
Gosto dessas antologias que a Cia. das Letras sempre lança, e essa é uma poeta que não conhecia o seu trabalho 

O Corpo Humano - Paolo Giordano
Surtei com um de meus autores preferidos e comprei assim que saiu aqui no Brasil. Confira a resenha de A Solidão dos Números Primos: AQUI



Trocas:



Os Monstros -Dave Eggers
A resenha do Andrecefalia me deixou animado para esse livro, daí troquei aqui no grupo da cidade. 

Remissão da Pena - Patrick Modiano
Troquei com a Lena do Olímpico Literário porque queria entender mais um pouco sobre a trilogia do Modiano

O Circo da Noite - Erin Morgenstern
Troquei com minha amiga Maria Clara. Eu sempre tive vontade de ler esse livro.


A Narrativa de Gordon Pym - Edgar Allan Poe
Consegui por um crédito no Plus do Skoob. Nem acreditei quando vi. 



Ganhado:


O Grande Irmão - Lionel Shriver
Por fim, ganhei mais um livro da Lionel Shirver para minha coleção. Faltam dois agora: A Nova República e O Mundo Pós-Aniversário. Aceito presentes. haha