Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
19

Resenha #54: Annie - Thomas Meehan

Lido em: Janeiro de 2015
Título: Annie
Autor: Thomas Meehan
Editora: Intrínseca
Gênero: Clássico
Ano: 2014
Páginas: 208

Adicione esse livro ao Skoob


Avaliação:




Resenha

Escrito por Thomas Meehan e publicado no final do ano passado pela Editora Intrínseca, Annie nos trás uma história de superação e positividade. Annie, aos seus dois meses de idade, foi deixada em uma cesta de vime em frente a um orfanato de Nova York, no ano de 1921. Com ela, estava um bilhete — dizendo que os pais voltariam para pegá-la assim que possível — e metade de um medalhão de prata, para que eles a reconhecessem quando voltassem.

Entretanto, a primeira aparição da protagonista no enredo acontece somente onze anos depois, em uma noite de ano novo. Cansada de ser maltratada pela cuidadora do orfanato, a Srta. Hannigan, e por se frustrar ano após ano esperando a volta dos pais, a jovem garota decide se jogar no mundo em busca dos seus progenitores. É aí que, após bolar um plano mirabolante, a garotinha foge e consegue andar livremente pelas ruas de Nova York. Após um ano, sozinha e passando por situações deploráveis, a jovem acaba encontrando por sorte (ou por destino) o homem mais rico de todo os Estados Unidos, e a partir daí todo um laço amigável começa a ser construído entre os dois.



Mesmo estando no ano de 1932, durante o decorrer da narrativa o autor nos mostra o cenário nacional pós-crise de 29 (para quem não lembra, a crise surgiu através da quebra da bolsa de valores de NY), e conseguimos perceber o quão arrasado o país se encontrava. Com esse pano de fundo, a história se desenvolve de maneira triste e ao mesmo tempo intensa, já que em cada nova página algo de ruim acontece com a protagonista. Esse lado "sofrível" da obra faz com que nos apeguemos cada vez mais a Annie. Nos parcos momentos de alegria, choramos junto à garotinha. 

Uma das coisas que mais me chamou a atenção foi o cunho positivista da obra como um todo. Mesmo estando em desgraça, Annie nunca abaixou a cabeça em todo o enredo. Seu lema era: “O sol vai sair amanhã. Pode apostar seu último centavo nisso". Acreditem ou não, questionei-me sobre como ando levando minha vida e decidi adotar o padrão Annie de ser



Embora o livro seja um clássico, não tive em momento algum dificuldade no entendimento — nem da escrita, nem do enredo. As páginas fluem rapidamente e a linguagem usada é trivial. Todos os personagens são muito bem explorados e construídos. Conseguimos detectar o ponto fraco de cada um deles, além de suas angústias e mágoas, bem como seus pontos fortes e expectativas futuras. 

A edição da Editora Intrínseca ficou impecável. Não consegui detectar nem um tipo de erro, seja gramatical ou de pontuação. Além disso, a editora fez uso de materiais de excelente qualidade (como sempre!) em seus exemplares do título em questão. Sendo bem franco com vocês: não há como ler esse livro e não se apaixonar por ele. Cinco estrelas e favorito é pouco para quantificar a magnificência dessa obra.



Adaptação

A adaptação cinematográfica de Annie está prevista para estrear dia 12/02/2015 em todo o Brasil. Dirigida por Will Gluck (Amizade Colorida e A Mentira) e com Quvenzhané Wallis como a protagonista, o filme contará também com os atores Jamie Foxx (como Benjamin Stacks), Rose Byrne (como Grace) e Cameron Diaz (como Miss Hannigan).

Vocês já devem ter percebido que uma das mudanças mais notáveis é a troca do pano de fundo na refilmagem. Notei logo nos primeiros segundos do trailer que o filme está o mais atual possível, como se se passem nos tempos modernos. Ainda não sei se isso é bom ou ruim. Outro ponto que fiquei bastante curioso foi a mudança na escolha da personagem principal, já que no livro ela é uma ruiva e, no filme, uma negra. Só sei de uma coisa: tem filminho bom vindo por aí! Espero não me decepcionar. Aproveitem o trailer:



Até logo,
Sérgio H.



1

Conheça: Lançamentos de Janeiro - Grupo Autêntica



Proteja-me - Maya Banks
Caleb Devereaux é um homem atraente, herdeiro de uma família rica e poderosa. Quando sua irmã caçula é sequestrada, ele tenta de tudo para encontrá-la, mas todos os esforços são em vão. A última esperança é Ramie St. Claire, uma jovem sensitiva de quem ouve falar, e que teria o poder de se conectar com pessoas localizando-as ao tocar em um objeto delas.

Caleb conhece Ramie e instantaneamente os dois percebem que a atração entre eles é intensa. O que o milionário não imagina é que a habilidade da bela moça tem um alto preço: ela vivencia a dor de quem ajuda, e isso custa-lhe sua própria vitalidade. Por isso, depois de achar a sequestrada, Ramie desaparece da vista do rapaz.

Ao mesmo tempo arrependido pelo sofrimento causado à jovem e profundamente fascinado por ela, ele tenta encontrá-la sem êxito. E quando pensa que Ramie havia partido para sempre, ela reaparece, e desta vez é ela quem pede ajuda. Seu dom a colocou em perigo e ela está sendo perseguida. Agora, Caleb vai fazer qualquer coisa para protegê-la, arriscando tudo, inclusive seu próprio coração.


Arrivederci amore, ciao - Massimo Carlotto 

 Giorgio Pellegrini, ex-militante de extrema-esquerda, traiu todos os seus antigos camaradas para fugir da prisão e lança mão de seu charme para seduzir as mulheres e roubá-las. Ele acaba pegando gosto pelo crime ao tentar forjar um recomeço político que lhe permitiria entrar na alta sociedade.

“Excitante, fortíssimo, bebemos este amore como se bebe uma grappa, gosto amargo mas bom pra diabo. Adoramos detestar esse canalha." Brigitte Hernandez, Le Point

“Uma narrativa à queima-roupa.” Bernard Le Saux, Le Figaro


“A moral deste romance sem moral é que ele é formidavelmente cativante.” André Rollin, Le Canard Enchaîné


O sofrimento de Deus - Inversões do Apocalipse -  Boris Gunjevic, Slavoj Žižek 

O sofrimento de Deus: inversões do Apocalipse é uma análise e uma reconstrução brilhante dos três maiores sistemas de crença da atualidade. Um debate entre Slavoj Žižek, um dos intelectuais mais articulados do mundo, e o filósofo croata Boris Gunjevi?, teólogo radical. Em seis capítulos que descrevem o cristianismo, o islã e o judaísmo usando as ferramentas da análise hegeliana e lacaniana, o livro mostra como cada sistema religioso entende a humanidade e a divindade, e como as diferenças entre eles podem ser muito mais estranhas do que parecem à primeira vista. Os debatedores nos oferecem uma investigação crítica, não um texto religioso. Com uma dedicação contagiosa e uma genialidade para realizar conexões improváveis, Žižek põe em xeque o suposto ateísmo ocidental e contempla a ideia desconcertante de um Todo-Poderoso que tanto sofre quanto ora. Partindo das artimanhas de Žižek e apresentando outras, Gunjevi? faz a convocação revolucionária de uma teologia que enfraqueça a astuciosa “escravização do desejo” do mundo capitalista. Com exemplos marcantes e uma lógica afiada, Žižek e Gunjevi? evocam pensadores que vão de Agostinho a Lacan, e discussões que incluem a dualidade entre ética cristã e pagã, a “luta de classes” subentendida na leitura do Alcorão e o papel do gênero no islã. Juntos, eles confirmam e analisam a fé no século XX, abalando as estruturas das tradições abraâmicas.




Meios sem fim - Notas sobre a política - Giorgio Agamben

“Publicado na Itália, em 1996, Meios sem fim é, segundo o próprio Agamben, um conjunto de textos (escritos entre 1990 e 1995) que se referem, cada um a seu modo, a um canteiro de obras cujo primeiro fruto tinha sido a publicação do primeiro volume de Homo Sacer (O poder soberano e a vida nua, Einaudi, 1995). Embora não se constituam propriamente como um dos volumes da série Homo Sacer, os breves ensaios de Meios sem fim antecipam os seus núcleos originais e apresentam alguns de seus ‘estilhaços e fragmentos’: a vida nua, a biopolítica; o estado de exceção; o campo de concentração; o refugiado; as sociedades democrático-espetaculares; a política como a esfera dos meios puros ou dos gestos. Mas Meios sem fim é também o exercício de confronto visceral entre um filósofo vivo e os mais urgentes acontecimentos de seu tempo (o que se passou nos territórios da antiga Iugoslávia; a situação de um Estado sem povo, como o Kuwait, ou de povos sem Estado, como os curdos, os armênios, os palestinos e os judeus da diáspora; os eventos de Timisoara, na Romênia, que levaram à queda do ditador Nicolae Ceau?escu; os protestos na China, na praça da Paz Celestial; a Guerra do Golfo). Todos esses eventos pedem um novo pensamento que lhes dê inteligibilidade. E é esse novo pensamento que o leitor tem diante dos olhos nestes ensaios. Uma nova filosofia, como toda filosofia, surge somente no embate com o mundo que a cerca e que está aí para nos dar lições. Os filósofos são aqueles que sabem aprendê-las.” - Cláudio Oliveira


A potência do pensamento - Ensaios e conferências - Giorgio Agamben

“Publicado na Itália em 2005, A potência do pensamento é uma coletânea de ensaios e conferências escritas por Giorgio Agamben ao longo de um período de quase trinta anos. Entre os textos aqui reunidos, o leitor encontrará desde o ensaio ‘Aby Warburg e a ciência sem nome’, de 1975 – estreitamente ligado às pesquisas, desenvolvidas por Agamben na biblioteca do Warburg Institute de Londres, que darão origem a seu segundo livro, Estâncias, de 1977 –, até o ensaio ‘A obra do homem’, de 2004, que antecipa as investigações sobre o conceito de inoperosidade, que domina as reflexões dos dois tomos do último volume de Homo Sacer: ‘Altíssima pobreza’, de 2011, e ‘O uso dos corpos’, de 2014. Reunidos pelo autor em três núcleos de preocupações centrais que acompanham a sua obra (Linguagem, História e Potência), estes ensaios e conferências oferecem talvez o mais extenso e completo panorama da obra deste filósofo italiano que está entre os mais importantes do nosso tempo. A potência do pensamento é também o livro de Agamben que permite, àqueles que acompanham o seu percurso, entender como seu pensamento se constrói num diálogo permanente com autores tanto da filosofia antiga (como Platão e Aristóteles), quanto da filosofia contemporânea (como Benjamin e Heidegger, mas também Foucault, Deleuze e Derrida), assim como da linguística e da antropologia do século XX (como Jean-Claude Milner e Furio Jesi). Tais autores são não só objeto destes ensaios, mas, sobretudo, ‘amigos’ deste pensamento.” - Cláudio Oliveira


O diário de Drácula - Marin Mincu

O príncipe Vlad III da Valáquia, o empalador, herdara de seu pai, Vlad II o apelido dracul, que significa “o diabo”, em romeno. Não à toa. Drácula foi um personagem histórico, guerreiro na luta contra o Império Otomano e a expansão islâmica na Europa. Mas sua crueldade e seu sadismo o caracterizaram como dracul, pelo modo como matava seus inimigos e os empalava, e inspirou Bram Stoker em sua obra mais célebre.Baseada na vida de Vlad III, esta obra não se vale nem da lendária crueldade do príncipe nem do gosto gótico ou das histórias de vampiros comuns na literatura atual. Mincu ressuscita o personagem histórico, o guerreiro que o papa Pio II apoiou e admirou na esperança de torná-lo o principal comandante da luta contra os turcos e contra o islamismo. De maneira original, este romance é apresentado em primeira pessoa pelo próprio Drácula durante sua prisão no castelo de Visegrád, um homem consciente da própria lenda negra, a par dos documentos históricos que essa lenda alimentou. Isso só é possível porque o Drácula de Mincu é, como foi o príncipe Vlad, um homem culto, poliglota, um humanista levado a agir por um destino mais sofrido do que desejado.


O Sol e o Peixe - Virginia Woolf

“Aquários recortados na uniforme escuridão encerram regiões de imortalidade, mundos de luz solar constante onde não há chuva nem nuvens. Seus habitantes fazem, sem parar, evoluções cuja complexidade, por não ter nenhuma razão, parece ainda mais sublime. Exércitos azuis e prateados, mantendo uma distância perfeita apesar de serem rápidos como flecha, disparam primeiro para um lado, depois para o outro. A disciplina é perfeita, o controle, absoluto; a razão, nenhuma. A mais majestosa das evoluções humanas parece fracae incerta comparada com a dos peixes.”

É Virginia Woolf, em “O sol e o peixe”, ensaio que dá título à presente coletânea, na qual se reúnem nove de suas prosas mais poéticas. Nelas, Virginia contrasta a visão de um eclipse total do sol com a dos peixes num aquário de Londres; discorre sobre Montaigne e sobre a paixão da leitura; relembra, em traços delicados e comoventes, a convivência com o pai; teoriza sobre a nascente arte do cinema e sobre as relações entre a literatura e a pintura; enaltece as paradoxais vantagens de se ficar doente; celebra as belezas naturais de Sussex e as delícias urbanas de uma caminhada fortuita por Londres. Eis aqui Virginia, em toda a força poética de sua prosa.


A Herança Africana no Brasil - Daniel Esteves

A presença de elementos africanos tem enriquecido a sociedade brasileira por séculos. Mas essa é também uma história de trabalho e sofrimento, perseguição e superação. Nesta HQ inédita, conhecemos os princípios da escravidão no Brasil, suas várias etapas, as lutas pela libertação, e a maneira como a influência africana ajudou a formar a cultura, a religiosidade, o cotidiano e o próprio povo brasileiro.










Descobrindo um Novo Mundo - Lillo Parra


Entre o final da Idade Média e o início da Época Moderna, os europeus lançaram-se aos mares em busca de novas rotas comerciais. Esse período, conhecido como As Grandes Navegações, é representado nesta HQ inédita, que mostra como os exploradores portugueses ligaram Ocidente e Oriente, ao mesmo tempo em que colocavam no mapa territórios antes desconhecidos, como a terra que ganharia o nome de Brasil.


15

[Nova Parceria] - Galera Record




Olá, "Galera"! Como vocês estão?

Nem preciso dizer que nós, blogueiros do De Cara Nas Letras, e os outros blogs citados na lista acima estamos extremamente felizes, não é mesmo? Nesse quase um ano de existência, batalhamos em diversas seleções de parceria, e fico muito feliz em saber que conseguimos passar por mais uma! Dessa vez, como vocês já devem ter lido no título da postagem, conseguimos criar um vínculo com a Galera Record. Me faltam palavras para expressar o quão feliz estou com isso! Bom, conheçam um pouco mais sobre a editora:




No mercado desde 2007, a Galera Record foi criada para atender a um público jovem e ávido por novidades, livros que falem a sua língua e retratem temas com os quais se identifiquem. Mas o catálogo cresceu tanto e tantas são as novidades que o nosso barquinho precisou definir melhor suas rotas de navegação... 
A Galerinha continua sendo a casa dos livros infantis, sempre tão coloridos e lúdicos. O nosso barquinho de papel vai seguir levando os pequenos leitores pelos mares da imaginação. De 10 a 14 anos as coisas ficam mais sérias – certo, nem tanto! Ainda é tempo de brincar, rir... mas quem sabe está chegando a hora do primeiro beijo? Aventura, fantasia, romance! Na Galera Junior os jovens podem assumir o timão e fazer as próprias escolhas. A Galera, irmã mais velha da turma, ganha uma nova cara, mas pode ter certeza que nossa âncora está firme num propósito: trazer para o jovem adulto os melhores livros! Thriller, fantasia, ficção científica e aquele livro da série, do filme e do jogo que você ama — tá tudo aqui! 


Equipe Galera

Conheça alguns dos livros da editora:

Um Caso Perdido / Sem Esperança

Teardrop / Dilúvio

Todo Dia / Invisível / Garoto encontra Garoto / Will & Will


Para saber um pouco mais sobre a editora e seu catálogo, clique aqui.

Enfim, gostaríamos de agradecer todo o apoio de vocês, leitores, e também a confiança que a editora depositou em nós. Faremos de tudo para que essa parceria seja uma das melhores e mais produtivas do ano! Obrigado, Galera! ;)


6

Resenha #53: Budapeste - Chico Buarque



Lido em: Janeiro de 2015
Título: Budapeste

Autor: Chico Buarque
Editora: Companhia Das Letras
Gênero: Romance
Ano: 2003
Páginas: 176


Adicione esse livro ao Skoob

Avaliação:


Resenha

José Costa é um ghost-writer e ganha a vida escrevendo artigos, dissertações, monografias, cartas, petições de advogados, etc, na Cunha & Costa Agência Cultural, onde é sócio junto com seu amigo de faculdade Álvaro Cunha. Diferentemente de outros escritores fantasmas, José Costa não deseja o reconhecimento, sua maior vaidade é ver seus textos assinado por outra pessoa, segundo ele “está em evidencia era alguma coisa como quebrar um voto”. Costa é casado com Vanda, apresentadora de um telejornal, e que não entende exatamente o que o marido escreve, e sequer se interessa pelo seu trabalho.

A trama ganha forma quando José Costa, voltando de Istambul — onde participou de um congresso de autores anônimos — é obrigado a pousar em Budapeste, devido a um problema no avião. Ao passar uma noite na cidade, fica intrigado com a língua nativa - húngaro - que, segundo Costa, é a única língua que o diabo respeita. Tenta aprender algumas palavras em húngaro, em vão. Ao voltar ao Rio de Janeiro, José Costa tem a missão de escrever a biografia encomendada de um alemão. Após terminar o livro, vendo-se em conflito com o seu trabalho, Costa decide tirar férias, e viaja para Budapeste, onde deseja aprender a falar húngaro. É quando conhece Kriska, e a moça se oferece para lhe ensinar o idioma.

"Então cobri sua mão com a minha e lhe disse: serei para sempre teu discípulo humilde e grato. As melhores palavras que sei emanaram de ti, devem a ti seu vigor e sua beleza. Será somente teu o teu verbo, dedicar-te-ei meus dias e minhas noites." Pag:127


É entre essas idas e vindas entre Rio de Janeiro e Budapeste, que a trama se desenvolve. Que conhecemos o interior de José Costa, suas aflições e anseios, seus altos e baixos e a confusão do seu ego. A relação amorosa que mantém com Vanda, sua esposa, e Kriska, a professora de húngaro. A relação húngaro-português, o processo e aperfeiçoamento de sua escrita. E juntos com José Costa, embarcamos em uma viagem por Budapeste.

“Deveria ser proibido debochar de quem sem aventura em língua estrangeira”, Budapeste nos suga desde a primeira frase, e nos fascina, assim como o húngaro fascinou Costa. Quando damos por sim, estamos andando pelas ruas de Budapeste e do Rio de Janeiro, entrando por completo na vida de José Costa — ou Zsoze Kósta (como é chamado em Budapeste).

"Mas duas pessoas não se equilibram muito tempo lado a lado, cada qual com seu silêncio; um dos silêncios acaba sugando o outro, e foi quando me voltei para ela, que de mim não se apercebia. Segui observando seu silêncio, decerto mais profundo que o meu, e de algum modo mais silencioso. E assim permanecemos outra meia hora, ela dentro de si e eu imerso no silêncio dela, tentando ler seus pensamentos depressa, antes que virassem palavras húngaras." Pag: 61


Admito que no início possa não parecer uma leitura fácil, Chico nós engana com o estilo falso-leve. Os parágrafos são longos, e em algumas partes do livro há uma quebra cronológica dos fatos, mas que logo entendemos o motivo, esses detalhes estão longe de ser um problema para quem lê, isso dá dinâmica a leitura, e nos faz perceber o quão único e incrível é o romance de Chico.

Budapeste é diferente de tudo que já li, e que possa vir a ler, sua trama é bem construída, e narrada de forma excelente, não tem nada que um romance clichê possui. E seu final é surpreendente, o que deixa o leitor incapaz de imaginar outro desfecho possível. É um livro pra se ler num fôlego só. E no fim perceber-se sem ar. Budapeste é o terceiro romance escrito por Chico Buarque, e nele, mostra que além de compositor, cantor e dramaturgo, é um impecável romancista. A escrita de Chico Buarque é verdadeira poesia.

 "Houve um tempo em que, se tivesse de optar entre duas cegueiras, escolheria ser cego ao esplendor do mar, às montanhas, ao pôr-do-sol no Rio de Janeiro, para ter olhos de ler o que há de belo, em letras negras sobre fundo branco." Pag: 96 

10

TOP 5: leituras para o ano de 2015


Olá, pessoal!


Hoje trago para vocês uma pequena lista dos livros que desejo ler esse ano. Vale salientar que eu não possuo todos os citados (ainda), mas quero lê-los independente da forma (físico ou digital). Confiram:

5. O Bicho da Seda - Robert Galbraith

Vocês devem saber que o Pedro conhece bastante dos meus gostos, não é mesmo? Após ler O Chamado do Cuco, falei da minha paixão pelo livro e, no meu aniversário, ele decidiu me presentear com o segundo volume da série. O que falar desse menino que considero pacas? hahaha


O detetive Cormoran Strike, protagonista de O Chamado do Cuco, está de volta, ao lado de sua fiel assistente Robin Ellacott. Quando o romancista Owen Quine desaparece, sua esposa procura o detetive particular Cormoran Strike. Inicialmente, ela pensa apenas que o marido se afastou por alguns dias - como fez antes - e quer que Strike o encontre e o leve para casa. Mas, à medida que investiga, fica claro para Strike que há mais no sumiço de Quine do que percebe a esposa. O escrito acabara de concluir um livro retratando maldosamente quase todos que conhece. Se o romance fosse publicado, a vida deles estaria arruinada -assim, muita gente pode querer silenciá-lo. E quando Quine é encontrado brutalmente assassinado em circunstâncias estranhas, torna-se uma corrida contra o tempo entender a motivação de um assassino impiedoso, diferente de qualquer outro que Strike tenha encontrado na vida.



4. Quase uma Rockstar - Matthew Quick

Li um dos dois livros do Matthew Quick lançados pela Editora Intrínseca (Perdão, Leonard Peacock) e fiquei apaixonado pela escrita/sagacidade do autor. Quando soube que mais uma obra seria lançada, sem pensar a adicionei em minha lista de futuras aquisições/leituras. Não preciso falar mais nada, não é mesmo?


Desde que o namorado da mãe as expulsou de casa, Amber Appleton, a mãe e o cachorro moram em um ônibus escolar. Aos dezessete anos e no segundo ano do ensino médio, Amber se autoproclama princesa da esperança e é dona de um otimismo incansável, mas quando uma tragédia faz seu mundo desabar por completo, ela não consegue mais enxergar a vida com os mesmos olhos. Será que no meio de tanta tristeza e sofrimento Amber vai recuperar a fé na vida? Com personagens cativantes e uma protagonista apaixonante, Matthew Quick constrói de forma encantadora um universo de risadas, lealdade e esperança conquistada a duras penas.




3. O Desafio de Ferro - Cassandra Clare / Holly Black

Ganhei esse livro de natal do Pedro e ele já estava desde o lançamento em minha lista de desejados. Fiquei muito feliz (e ansioso), e espero lê-lo o mais rápido possível.


A maioria dos garotos faria qualquer coisa para passar no Desafio de Ferro. Callum Hunt não é um deles. Ele quer falhar. Se for aprovado no Desafio de Ferro e admitido no Magisterium, ele tem certeza de que isso só irá lhe trazer coisas ruins. Assim, ele se esforça ao máximo para fazer o seu pior... mas falha em seu plano de falhar. Agora, o Magisterium espera por ele, um lugar ao mesmo tempo incrível e sinistro, com laços sombrios que unem o passado de Call e um caminho tortuoso até o seu futuro. Magisterium - O Desafio de Ferro nasceu da extraordinária imaginação das autoras best-seller Holly Black e Cassandra Clare. Um mergulho alucinante em um universo mágico e inexplorado.




2. Morte Súbita - J.K. Rowling

Comprei esse livro há cerca de 10 meses (mais por compulsão que por necessidade), e ele acabou estocado em minha prateleira. Entretanto, com a iminência da série baseada no bestseller, a vontade e a curiosidade em conhecer a obra cresceu consideravelmente. Sendo assim, essa será uma das minhas leituras do ano!

Quando Barry FairBrother morre inesperadamente aos quarenta e poucos anos, a pequena cidade de Pagford fica em estado de choque. A aparência idílica do vilarejo, com uma praça de paralelepípedos e uma antiga abadia, esconde uma guerra. Ricos em guerra com os pobres, adolescentes em guerra com seus pais, esposas em guerra com os maridos, professores em guerra com os alunos Pagford não é o que parece ser à primeira vista. A vaga deixada por Barry no conselho da paróquia logo se torna o catalisador para a maior guerra já vivida pelo vilarejo. Quem triunfará em uma eleição repleta de paixão, ambivalência e revelações inesperadas?




1. A Desconstrução de Mara Dyer - Michelle Hodkin

Com tantas críticas positivas e uma melhor amiga cochichando (ou melhor, gritando) em meu ouvido coisas excelentes sobre e obra, fica impossível não ter esse livro na lista de lidos no ano. Adoro livros de suspense e com um toque de terror, então espero amar esse <3 p="">

Um grupo de amigos, uma tábua ouija, um presságio de morte. Mara Dyer não estava interessada em mensagens do além. Mas para não estragar a diversão da melhor amiga justo em seu aniversário, ela decide embarcar na brincadeira. Apenas para receber um recado de sangue. Parecia uma simples piada de mau gosto... até que todos os presentes com exceção de Mara morrem no desabamento de um velho sanatório abandonado. O que o grupo estaria fazendo em um prédio condenado? A resposta parece estar perdida na mente pertubada de Mara. Mas depois de sobreviver à traumática experiência é natural que a menina se proteja com uma amnésia seletiva. Afinal, ela perdeu a melhor amiga, o namorado e a irmã do rapaz. Para ajudá-la a superar o trauma a família decide mudar para uma nova cidade, um novo começo. Todos estão empenhados em esquecer. E Mara só quer lembrar. Ainda mais com as alucinações - ou seriam premonições? - Os corpois e o véu entre realidade, pesadelo e sanidade se esgarçando dia a dia. Ela precisa entender o que houve para ter uma chance de impedir a loucura de tomá-la....


Espero que vocês tenham gostado da minha listinha! Algum desses livros está na sua lista?


54

Promoção: Aniversário 'De Cara Nas Letras'


E hoje começamos a contagem regressiva: resta exatamente um mês para comemorarmos um ano de nossa existência na blogosfera. Não dá nem para acreditar que o tempo passou tão rápido. Nos lembramos quando o blog era ainda apenas um projeto, uma ideia no papel. E hoje estamos aqui, comemorando nosso 'aniversário' com blogueiros que se tornaram mais que nossos amigos: adotamo-os como irmãos. Não temos palavras para agradecer todo o carinho de vocês, leitores, para conosco. Sendo assim, decidimos elaborar uma promoção para presenteá-los. Boa sorte e obrigado por estarem conosco nesse primeiro ano! 
Equipe De Cara Nas Letras










a Rafflecopter giveaway

Regras Gerais:

1. Ter endereço de entrega em território nacional.
2. Cumprir todos os requisitos OBRIGATÓRIOS que garantem a participação.
3. Comentar nesta postagem com seu e-mail para facilitar sua localização, caso venha a ganhar;
4. Participar da promoção durante o período de inscrição, que é de 18/01/15 até 18/02/15.
5. Responder o e-mail de contato no período de 48 horas após o sorteio. Caso não haja resposta, o kit será sorteado novamente.


Sobre o envio:

1. Os prêmios serão enviados de forma separada, com cada blogueiro responsável pelo livro que cedeu. Os blog's terão um prazo de até 30 dias corridos para ENVIAR o livro ao ganhador, começando a contar a partir do dia 01/03.
2. Nenhum blog se responsabilizará por eventuais extravios, roubos ou perdas da transportadora.
3. Caso algum dos ganhadores forneça dados errados e o livro retornem ao remetente, não será feito um segundo envio.
4. O ganhador que descumprir alguma das regras, ou for sorteado com uma entrada não obrigatória que não tenha sido cumprida, será desclassificado.

ATENÇÃO: perfis fakes ou utilizados apenas para participar de promoções serão desqualificados.


10

Resenha #52: Eleanor & Park - Rainbow Rowell

Lido em: Dezembro de 2014
Título: Eleanor & Park
Organizadora: Rainbow Rowell
Editora: Novo Século
Gênero: Romance
Ano: 2014
Páginas: 328

Adicione esse livro ao Skoob


Avaliação:   


Resenha

Eleanor & Park é engraçado, triste, sarcástico, sincero e, acima de tudo, geek. Os personagens que dão título ao livro são jovens vizinhos de dezesseis anos. Park, descendentes de coreanos e apaixonado por música e quadrinhos, não chega exatamente a ser popular, mas consegue não ser incomodado pelos colegas de escola. Eleanor, ruiva, sempre vestida com roupas estranhas e “grandes” (ela pensa em si mesma como gorda), é a filha mais velha de uma problemática família.

A narrativa começa quando Eleanor volta a morar com sua mãe, seus irmãos e seu padrasto, que a tinha expulsado no passado. No primeiro dia na nova escola, ela vira um novo alvo para as pessoas tirarem sarro. No ônibus, ninguém oferece um assento para ela, até que ela vê um lugar disponível ao lado de Park. Este não gosta quando Eleanor senta ao seu lado permanecendo imóvel e tentando ficar invisível, porém não reclama.



























A partir daí, os dois pegam ônibus juntos todos os dias, mas sempre ignorando um ao outro. Park sempre está escutando música e lendo seus gibis. Já Eleanor, tenta não incomodá-lo lendo os gibis dele pelo canto do olho. Percebendo a situação, Park começa a ler mais devagar para que ela o acompanhe. Após muitas leituras, eles acabam interagindo e ambos descobrem o mesmo gosto musical. Ao som de The Smiths e na imaginação dos quadrinhos, a relação dos dois cresce cada vez mais, com ele fazendo fitas de suas bandas favoritas e emprestando seus gibis para ela e com Eleanor cada dia mais ansiosa para vê-lo. Simplesmente passam de estranhos para apaixonados. Com a inexperiência das duas partes, o amor entre eles é cada vez mais intenso.

Eleanor & Park pode mostrar seu primeiro amor, porém discute de uma forma pesada dramas, como o bullying, a sexualidade, o padrão de beleza imposta pela sociedade, a agressão. Com o padrasto batendo na mãe, o bullying no colégio, problemas financeiros, Eleanor acaba sendo uma adolescente problemática, cheia de inseguranças e batalhas internas, mas ao longo de seu namoro com Park, ela tenta vencer essas batalhas, ganhando umas e perdendo outras.



A história se passa no ano de 1986, mas entre o ponto de vista de Eleanor ou Park, como os capítulos são divididos. A Rainbow Rowell deixou o enredo fascinante. Com uma escrita objetiva, ela acabou deixando o livro fluir livremente. Eleanor & Park me mostrou uma protagonista cheia de inseguranças na sua aparência e um menino desajeitado que tenta ajudá-la de todas as formas, aproximando o leitor da realidade de qualquer adolescente, cheia de paradigmas.

Sou dessas pessoas que choram por qualquer livro, principalmente se tiver um final doloroso, e com E&P não foi diferente. Se você gosta de livros românticos com uma pitada de drama e realidade, Eleanor & Park é uma ótima pedida. 


Resenhado por:
Sofia Fidelis


4

News #9: Primeiras do ano.


Confira a capa de Outro dia, continuação do livro Todo dia

Foi divulgada nas redes sociais da editora Galera Record a capa americana de Outro Dia, do autor David Levithan. O Livro que dá continuação ao Todo Dia tem data de lançamento nos Estados Unidos para meados de agosto deste ano, já no Brasil ainda não temos data certa. Confira a capa:




Intrínseca publica livro de Gillian Flynn 


Nas redes sociais da editora foi divulgada a capa de Objetos Cortantes, da mesma autora do grande sucesso Garota Exemplar. O livro já havia sido lançado em meados de 2008 pela editora Rocco no país, no entanto com o título "Na Própria Carne".
Os direitos de adaptação foram comprados pelo produtor Jason Blum e a Gillian Flynn já está escrevendo o piloto para a HBO.

Sinopse: Uma narrativa tensa e cheia de reviravoltas. Um livro viciante, assombroso e inesquecível. Recém-saída de um hospital psiquiátrico, onde foi internada para tratar a tendência à automutilação que deixou seu corpo todo marcado, a repórter de um jornal sem prestígio em Chicago, Camille Preaker, tem um novo desafio pela frente. Frank Curry, o editor-chefe da publicação, pede que ela retorne à cidade onde nasceu para cobrir o caso de uma menina assassinada e outra misteriosamente desaparecida.
Desde que deixou a pequena Wind Gap, no Missouri, oito anos antes, Camille quase não falou com a mãe neurótica, o padrasto e a meia-irmã, praticamente uma desconhecida. Mas, sem recursos para se hospedar na cidade, é obrigada a ficar na casa da família e lidar com todas as reminiscências de seu passado. Entrevistando velhos conhecidos e recém-chegados a fim de aprofundar as investigações e elaborar sua matéria, a jornalista relembra a infância e a adolescência conturbadas e aos poucos desvenda os segredos de sua família, quase tão macabros quanto as cicatrizes sob suas roupas.



Ansel Elgort e Chloë Moretz  atuarão juntos novamente



O casal atuou junto primeiramente na mais recente versão de Carrie, a Estranha, agora ambos irão estrelar o filme November Criminals, adaptação do livro de mesmo nome, escrito por Sam Munson. O filme será digirido por Sacha Gervasi (Hitchcock).

Ansel, dessa vez como o protagonista principal, viverá um adolescente de 18 anos chamado Addison, que tem problemas com brigas e tráfico de drogas. Ele investiga por conta própria o assassinato de um colega de turma e acaba se apaixonando por um garota, interpretada por Chloë Moretz.


Confira a capa do 3° livro da série Contornos do Coração


Tammara Webber divulgou no Facebook a capa de Sweet, que tem previsão lá fora para abril deste ano. Aqui no Brasil, a editora Verus é a responsável pela publicação da série e já publicou Easy e Breakable os dois primeiros livros.

Confira a capa seguida da sinopse em tradução livre:



Ele é o amor da sua vida, mas ele não sabe disso.
Ela é o seu único momento de sacrifício na vida de sobrevivência.
Ele foi danificado e selvagem, mas resistente.
Ela sempre foi obediente; agora ela está inquieta.
Em casa para o verão entre faculdade e escola de medicina, Pearl Torres Frank sabe duas coisas: Boyce Wynn é a personificação de tudo o que ela deseja, e tudo o que ela quer fugir. Rebelde e alto. Despreocupado com a opinião da sociedade sobre ele. Passional.
Forte. Perigoso.
E mais uma característica que ele esconde de todos, menos dela: Doce (Sweet)

Data de lançamento: 27 de abril de 2015

21

Resenha #51: Nick & Norah - David Levithan e Rachel Cohn

Edição: 1
Título Original: Nick & Norah's Infinite Playlist
Autores: Rachel Cohn e David Levithan
Editora: Galera Record
Gênero: Romance, Lad-Lit
ISBN: 8501085405
Ano: 2009
Páginas: 224
Tradutor: Ryta Vinagre

Avaliação Pessoal:




Resenha 


O livro, publicado aqui no Brasil em 2009 pela editora Galera Record, se passa em uma noite de sábado para domingo, onde conhecemos a personagem Nick, baixista de uma banda punk, juntamento com seus dois colegas gays Dev, o vocalista, e Thom, o guitarrista. Nick foi abandonado por Triss, sua ex-namorada, mas ainda sente na pele o que essa separação lhe trouxe, apesar de querer esquecer.

Na mesma festa em que Nick acabou de realizar uma apresentação, conhecemos a personagem Norah, uma jovem, filha de um famoso produtor musical, que também rompeu com seu ex-namorado há pouco tempo e que só está nessa casa de show para acompanhar a sua amiga Caroline que se encontra extremamente bêbada se pegando com algum cara nos fundos da casa de shows. Norah tem algumas incertezas sobre o seu futuro, tanto é que decidiu mandar uma carta para a Universidade Brown recusando a admissão na mesma.


Os dois personagens, que dão título ao livro, não imaginavam que naquele local seus destinos fossem se cruzar quando ambos avistassem a Triss se divertindo com algum cara desconhecido. É aí que o Nick decide fugir da Triss, pois não quer vê-la acompanhada de outro garoto que não ele, e a primeira garota que ele encontra em sua frente é a Norah a qual ele faz uma proposta:

- Sei que isso vai parecer meio estranho, mas poderia ser minha namorada pelos próximos cinco minutos?

Norah, filha de um famoso empresário musical, que também quer se ver livre da chata da Triss, aceita ser a namorada daquele "desconhecido" que seus amigos acham ser gay, firmando o namoro com um beijo incrível que acaba provando que Nick não tem nada de homo.

A partir desse encontro inesperado, os dois vão viver uma noite cheia de situações inimagináveis que irão trazer reflexões sobre as suas vidas e o caminho que eles estão trajando, tudo isso acompanhado de músicas de qualidade.


Nick e Norah - Uma Noite De Amor e Música é um romance Lad-Lit escrito em dupla e em primeira pessoa pelos autores David Levithan (famoso pelo livro Todo Dia) e Rachel Cohn (conhecida pela trilogia Cyd Charisse).  Ele narra a perspectiva do Nick, já a autora, narra o ponto de vista da Norah, e assim juntos fizeram umas das narrativas mais geniais que eu já pude ler um dia.

O fato de termos dois personagens narrando torna a leitura mais dinâmica, enquanto estamos lendo sobre um personagem, ficamos curioso sobre o que está se passando com o outro e nesse livro sabemos que no próximo capitulo teremos o que queremos saber e tudo isso de uma forma bem natural, ligando uma narrativa a outra, o que não deixa tão evidente que são dois autores escrevendo em parceria.

Encantador, fofo e engraçado na medida certa, esse é o tipo de livro que lemos rapidinho e que traz a estória do despertar de um amor que queríamos que acontecesse conosco. Uma das reflexões que esse livro trás é a de que, por mais que nos machuquemos com outras paixões, podemos superá-las e tentar de novo, mesmo que não estejamos a procura de nos envolvermos novamente.


Nick e Norah, era um livro que estava na lista de desejos muito antes do tão aclamado Todo Dia estourar pelo mundo, e admito que foram muitos anos para tentar conseguir esse livro, ao terminar a leitura, fiquei com um leve sorriso no rosto querendo conhecer mais sobre esses personagens e suas idiossincrasias.

Preciso falar que a leitura está mais do que recomendada? Se optar por ler, garanto que no final da leitura, terás uma excelente playlist para ouvir.


Att,
Pedro S.