Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
5

Resenha #1 : Todo Dia - David Levithan

Lido em: Janeiro de 2014
Título: Todo Dia
Autor: David Levithan
Editora: Galera Record
Gênero: Ficção Juvenil
Ano: 2013
Páginas: 280
Nota

Adquira seu exemplar clicando aqui!









Sinopse: "A" acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, "A" precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrar a cada 24 horas, "A" e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor.


Resenha: 

O livro é narrado em primeira pessoa pelo personagem A, que relata a sua própria história. A, apenas A. A é um ser que não tem gênero definido, muito menos um corpo fixo para ocupar, e desde que ele se entende por gente ou não, ele troca de corpos todos os dias. Dessa forma, não sabemos se ele é menino ou menina. Aparentemente, ele é uma alma (parasita) de 16 anos de idade ocupando corpos  de adolescentes de mesma idade, só que há um porém, ele não sabe como isso funciona, nem em que corpo vai parar. Pode ser um gordo, uma negra, um albino, um gay, uma pessoa doente e assim por diante.

Mas, ao cair no corpo do adolescente Justin, ele conhece a Rhiannon, que nada mais é do que a namorada do Justin. Como A está no corpo desse garoto, ele tem todo acesso aos pensamentos e memória do mesmo, e  assim acaba vendo que ele não se importa nem um pouco com a garota e que não sente nada por ela. É aí que o A decide fazer desse dia especial, tanto pra ele quanto para a garota, e é o que ocorre, eles acabam tendo um dia especial... No entanto, A não esperava cair nos encantos de Rhiannon, e acaba por se apaixonar por ela.
E é aqui que surge a questão: Como conseguir manter um relacionamento tendo Todo Dia um corpo diferente?

Após esse dia, a vida de A toma uma reviravolta inesperada, onde ele busca encontrar Rhiannon e mostrar pra ela o que ele realmente é.

O livro possui uma linguagem fácil e narrativa gostosa de ser lida, tornando assim, uma leitura ótima e viciante. David Levithan levanta inumerosas questões reflexivas sobre nossa vida e modo de agir em relação aos outros. Temos todos os dias em nossos corpos, podemos fazer o que bem entendermos e vamos continuar no mesmo lugar para sofrer as consequências, sejam elas boas ou ruins. Mas não é o que acontece com o A, se houver um deslize de sua parte, quem acaba pagando o preço é o proprietário do corpo ocupado, por isso ele sempre tenta deixar o corpo como encontrou para não causar transtornos a outras pessoas.
      
A é um personagem  extremamente original e de personalidade bonita, apesar de não saber muito sobre si mesmo. Já a Rhiannon é um pouco mais fechada, ela demora mais a se mostrar, mas é uma boa pessoa e quem estiver lendo com atenção, se emocionará em certas passagens.

David Levithan criou um enredo totalmente diferente do que eu já tinha lido e soube levar o leitor a crer naquilo que está escrito, mas houve uma pequena coluna que ficou em aberto ao final do livro e que não foi resolvida, o autor fez que ia revelar o que acontece com o A, o que ele é, mas não o faz, isso acabou fazendo com que caísse uma estrelinha.
       
Tirando esse ultimo ponto, o livro é maravilhoso e apaixonante, há muito com o que se identificar nele. E se você ainda não ouviu falar dele, corre para a livraria mais próxima e não perca tempo, leia. Super recomendo.

       Alguns quotes (para aumentar a curiosidade):
       "Quando se olha para uma multidão, nossos olhos naturalmente vão para certas pessoas, conhecendo-as ou não. Mas meu olhar neste momento está vazio. Sei o que vejo, mas não o que ela veria. O mundo ainda é de vidro."
“Um dos cartazes dos manifestantes chama minha atenção. Está escrito: “HOMOSSEXUALISMO É OBRA DO DIABO”. E, mais uma vez, penso em como as pessoas usam o diabo para dar nome às coisas que temem. A causa e o efeito estão invertidos. O diabo não obriga ninguém a fazer coisas. As pessoas é que fazem as coisas e culpa o diabo por isso.” 
 "Se você olhar para o centro do universo, existe frieza lá. Um vazio. No final das contas, o universo não se importa conosco. O tempo não se importa conosco."

       Enfim, é isso. Espero que tenham gostado. Se você já leu dê sua opinião nos comentários. Se deseja ler ou se interessou, comente também.

Até mais,
Pedro S.

5 comentários:

  1. Muito Bom! Parabéns Pelo Blog e o Profissionalismo!
    Sucesso!

    ResponderExcluir
  2. Amo demais esse livro, é muito tocante! Ótima resenha, beijos

    ResponderExcluir
  3. Ótima resenha, muita vontade de ler esse livro ><

    ResponderExcluir
  4. Olááá!
    poxa vida, um final pouco esclarecedor...já li tantas coisas maravilhosas a respeito deste livro! Estou tão curiosa, mas saber desse final ai, me desanimou muito!!!

    Um beeijo Lara.
    Blog Meus Mundos no Mundo | | Página Coração Furta-Cor

    ResponderExcluir
  5. Esse livro é fantástico David Levithan merece mais reconhecimento

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!